Mudou!

O Redação do Esporte mudou de hospedagem! Acesse nosso conteúdo atualizado em: www.redacaoesporte.com.br

terça-feira, 31 de março de 2009

Seleção Brasileira > Esquadrão de Ouro

"A Júlio César o que é de César"

Brasil x Uruguai, jogo no Morumbi, a seleção vivia mais um momento ruim e o coro nas arquibancadas era geral “Rogério Ceni”, mas a personalidade de Júlio César e defesas sensacionais tomaram a preferência nacional. Hoje, o goleiro é o jogador mais importante da seleção, um dos mais importantes de seu clube, a Internazionale, um dos melhores goleiros do mundo e por que não, um dos poucos contestados na fraca seleção de Dunga.

Como diria o dito popular “a César o que é de César”, o ex-flamenguista já deveria ser recompensado com a modificação do ditado “a Júlio César o que é de César”. Com a maior justiça do mundo o novo Imperador da Velha Bota deveria ser o fantástico goleiro. Deveria ter todas as honras, mas a Europa e o mundo já está se rendendo aos seus pés, ou melhor, as suas luvas.

Dunga deve ter muito orgulho de seu goleiro, afinal, foi o único benefício que trouxe à seleção. Dunga deve ter mais orgulho ainda, já que Júlio César salvou o Brasil de algumas derrotas, como o massacre no Equador.

A seleção

Já que Júlio César é unanimidade, o que falarmos do resto? A lateral-direita é isso o que tem, paciência. A defesa me entristece ver Luisão, só o irmão dele, Alex Silva, é no mínimo 10 vezes melhor, sem falar que Lúcio voltou aos “velhos tempos”, onde domina bola para o atacante. Com Juan machucado, o que temos de melhor é Thiago Silva e Miranda. A lateral-esquerda é a maior piada, Marcelo não é jogador para ser titular, Kléber segue com aquele futebolzinho, Juan caiu de produção, por que não convocar Fábio Aurélio? Titular absoluto do Liverpool, merece uma chance há tempos.

O meio-campo é de dar medo. Gilberto Silva, Felipe Melo e Elano, onde isso vai parar? Cadê Lucas, Hernanes? Gilberto Silva, por toda sua história na seleção, poderia se poupar desse final triste. Elano não é titular nem no City, não pode ser titular da seleção cinco vezes campeã da Copa do Mundo. Felipe Melo é o Afonso do meio. Sem contar Ronaldinho que não quer mais jogar bola. Kaká com uma perna só é titular absoluto, fora o gigante Júlio Baptista, que cresce ainda mais com a camisa da seleção.

No ataque, Luís Fabiano segue titular, porém Robinho merece no mínimo um banco. Pato, voando no Milan, não pode ficar como mera opção no banco. Na verdade, o que precisamos é de um técnico, mas como sabemos que o turrão não irá sair e nem Ricardo Teixeira vai mandá-lo embora, teremos que aguentar esse sufoco ao menos até o fim da Copa das Confederações.

Por fim darei uma de treinador, claro, melhor que o Dunga, e escalarei a minha seleção:
Júlio César
Maicon
Juan
Miranda (Thiago Silva)
Fábio Aurélio
Lucas
Hernanes
Júlio Baptista
Kaká
Alexandre Pato
Luís Fabiano

Qual seria sua escalação?

Direto da Redação










Colunista: Marco Miranda
marco_mirand@yahoo.com.br

Eliminatórias Sul-americanas > 11ª Rodada

Resultados
28/3/09 Uruguai 2 x 0 Paraguai
28/3/09 Argentina 4 x 0 Venezuela
28/3/09 Colômbia 2 x 0 Bolívia
29/3/09 Equador 1 x 1 Brasil
29/3/09 Peru 1 x 3 Chile


Classificação

Pos. Times PG J V E D GP GC SG
Paraguai 23

11

7

2

2

18

8

10

Argentina 19 11 5 4 2 17 7 10
Chile 19 11 6 1 4 17 14 3
Brasil 18 11 4 6 1 16 5 11
Uruguai 16 11 4 4 3 21 10 11
Colômbia 14 11 3 5 3 6 8 -2
Equador 13 11 3 4 4 13 18 -5
Venezuela 10 11 3 1 7 12 22 -10
Bolívia 9 11 2 3 6 13 24 -11
10º Peru 7 11 1 4 6 6 23 -17

* Zona de classificação para a Copa do Mundo
* Zona de respescagem


Artilharia
5 GOLS
Botero e Marcelo Moreno (Bolívia), Abreu e Forlán (Uruguai)

4 GOLS
Agüero, Messi e Riquelme (Argentina), Kaká e Luís Fabiano (Brasil),
Suazo (Chile), Valdez (Paraguai), Bueno (Uruguai) e Maldonado (Venezuela)

3 GOLS
Robinho (Brasil), Mendez (Equador), Cabañas,
Riveros e Roque Santa Cruz (Paraguai) e Lugano (Uruguai)

2 GOLS
García (Bolívia), Fernandez, Jara, Marcelo Salas e Medel (Chile),
Bustos (Colômbia), Ayoví, Benítez e Kaviedes (Equador), Paulo da Silva
(Paraguai), Suárez (Uruguai), Arango e Arismendi (Venezuela)


Próximos jogos

31/3/09 Venezuela x Colômbia
1/4/09 Bolívia x Argentina
1/4/09 Equador x Paraguai
1/4/09 Chile x Uruguai
1/4/09 Brasil x Peru


Comentário da Redação
Muitas vagas em aberto

Faltam apenas sete rodadas para o fim das Eliminatórias Sul-americanas, mas ainda não podemos cravar nenhum classificado para a Copa de 2010, na África do Sul. Nem o Paraguai, líder disparado, nem Brasil e Argentina merecem tal confiança.

Começando pelo último citado, os argentinos de Diego Maradona deram um show de bola diante da Venezuela, mas ainda estão no bolo, empatados com o Chile. Atrás vem o Brasil, de péssima atuação no Equador e muito irregular durante todo o torneio.

O Uruguai vem em quinto e a Colômbia segue em sexto. Até o Equador, em sétimo, pode ser considerado portulante a uma vaga, nem que seja ela na respecagem.

O Paraguai lidera, mas após conhecer sua segunda derrota nas Eliminatórias a tendência é que o time perca um pouco de sua confiança para a sequência do torneio.


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

segunda-feira, 30 de março de 2009

Campeonato Paulista > 17ª Rodada

Resultados
28/03 São Paulo x Palmeiras
28/03 Barueri x Santos
28/03 Mirassol x Noroeste
28/03 Mogi Mirim x Botafogo
28/03 Ituano x Paulista
28/03 Santo André x Oeste
28/03 Bragantino x São Caetano
28/03 Guarani x Corinthians
29/03 Ponte Preta x Guaratinguetá
29/03 Portuguesa x Marília


Classificação
Pos
Time
P
J
V
E
D
GP
GC
SG
1 Palmeiras 40 17 12 4 1 35 15 20
2 São Paulo 36 17 11 3 3 29 14 15
3 Corinthians 35 17 9 8 0 28 13 15
4 Portuguesa 34 17 10 4 3 25 15 10
5 Santos 31 17 9 4 4 24 15 9
6 Santo André 30 17 9 3 5 28 17 11
7 Barueri 27 17 7 6 4 28 24 4
8 Mirassol 24 17 6 6 5 30 29 1
9 Ponte Preta 21 17 5 6 6 26 27 -1
10 São Caetano 20 17 6 2 9 21 27 -6
11 Bragantino 19 17 5 4 8 31 28 3
12 Botafogo
19 17 5 4 8 25 30 -4
13 Guaratinguetá 19 17 4 7 6 27 30 -3
14 Ituano 17 17 4 5 8 18 26 -8
15 Paulista 16 17 4 4 9 24 27 -3
16 Oeste 16 17 3 7 7 20 26 -6
17 Mogi Mirim 15 17 4 3 10 15 32 -17
18 Marília 15 17 3 6 8 22 37 -15
19 Noroeste 14 17 3 5 9 16 27 -11
20 Guarani 14 17 3 5 9 11 24 -13


Artilharia
12 gols
Keirrison (Palmeiras)

11 gols
Washington (São Paulo)

10 gols
Pedrão (Barueri)
Zé Carlos (Paulista)
Edno (Portuguesa)

8 gols
Thiago Humberto (Barueri)
Danilo Neco (Ponte Preta)

7 gols
Alex Afonso (Ituano)
Pablo Escobar (Santo André)

6 gols
Chicão (Corinthians)
Wellington Amorim (Guaratinguetá)
Abuda e Fabiano Gadelha (Marília)
Luís Ricardo (Mirassol)
Lenny (Palmeiras)


Próximos jogos
31/03 19h30
Oeste x Palmeiras
31/03 19h30
Guarani x Mirassol
31/03 19h30
Paulista x São Caetano
31/03 21h50
Corinthians x Ituano
31/03 21h50
Mogi Mirim x Bragantino
02/04 15h45
São Paulo x Guaratinguetá
02/04 15h45
Santos x Portuguesa
02/04 21h50
Santo André x Barueri
02/04 21h50
Marília x Noroeste
02/04 21h50
Botafogo x Ponte Preta


Comentário da Redação
Primeira decisão

Antes mesmo das semifinais do Paulistão, já acontece a primeira decisão do torneio. Infelizmente, por ordem da TV Globo, dona do torneio, Santos e Portuguesa se enfrentam na quinta-feira, às 15h45, esvaziando o jogo que tinha tudo para ter casa cheia na Vila Belmiro, valendo vaga no mata-mata.

Novis fora, a Portuguesa mais uma vez está com a vaga na mão. Para isso, precisa se fechar em Santos e apostar no contra-ataque, tática que vem dando certo com o time neste ano. Até por isso, o desempenho lusitano fora de casa é até melhor do que em seus domínios. Um empate vale muito nesse jogo.

Para o time do técnico Vágner Mancini, não resta outra opção que não seja o ataque e uma blitz desde os primeiros minutos. Creio que a formação que enfrentou o Barueri deva ser mantida, mas é preciso mais atenção na hora de definir as jogadas pois não será possível despediçar as chances que surgirem neste clássico.

Falando em clássico, é bom poder exaltar essa partida que vinha tão esquecida nos últimos anos. A Portuguesa é favorita para a vaga, mas vai precisar provar dentro de campo, enfrentando um duro adversário fora de casa. O Santos precisa da vitória e, apesar do horário, deve levar um bom público ao Urbano Caldera. Jogo imperdível.

Mas é bom não esquecer o Santo André, que está de olho em um tropeço duplo de Peixe e Lusa para tentar ainda um milagre.

Enquanto isso, palmeirenses, são-paulinos e corintianos assistem de camarote... na reta final, finalmente teremos emoção nesse Paulistão.


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

domingo, 29 de março de 2009

Eliminatórias 2010 > Brasil escorrega nas alturas

* Seleção vencia até os 44 do segundo tempo, mas cedeu empate ao Equador

No ar rarefeito da altitude, o Brasil não conseguiu respirar até o fim. Depois de sofrer uma pressão durante grande parte do jogo, a seleção sucumbiu e empatou em 1 a 1 com o Equador, neste domingo, em partida válida pela 11ª rodada das eliminatórias da Copa do Mundo de 2010. O resultado apenas foi possível por causa de dois xarás. Com defesas espetaculares, Julio César salvou o Brasil do que poderia ser uma goleada. Julio Baptista foi decisivo ao fazer, em seu primeiro lance, o gol brasileiro. Há quatro partidas o Brasil não marcava atuando no Equador.

O empate fez com que o Brasil caísse para a quarta colocação das eliminatórias, com 18 pontos. A seleção está a cinco do líder Paraguai e a um de Argentina e Chile, que estão em segundo. O próximo compromisso do grupo comandado por Dunga será nesta quarta-feira, contra o Peru, no Beira-Rio, em Porto Alegre.

Pressão total do Equador

A pressão dos equatorianos foi impressionante na primeira etapa. Até os 25 minutos, foram 11 chutes a gol contra Julio César, que salvou o time de Dunga em pelo menos três oportunidades. Na mais marcante delas, aos 14 minutos, defendeu uma cobrança de falta de Méndez. No rebote à queima-roupa, evitou novamente o gol do Equador após conclusão de Guerrón, que estava em posição de impedimento.

O camisa 7 do Equador, inclusive, dava um baile em Marcelo pela esquerda. Luisão não conseguia marcar Benítez. A sorte brasileira é que o atacante equatoriano parecia ser especialista em perder gols. Desorientado em campo e sentindo os efeitos da altitude de 2.850 metros, o Brasil não conseguia armar as jogadas e ficar com a posse de bola. Elano e Ronaldinho Gaúcho estavam perdidos e, com isso, o ataque ficava isolado. Até os 25 minutos, Luis Fabiano só tocou duas vezes na bola, e Robinho, apenas quatro.

O primeiro chute aconteceu com Marcelo, aos quatro minutos. O segundo com Daniel Alves, apenas aos 38 minutos. O lateral-direito substituiu Maicon, que deixou o campo aos 20 minutos, depois de sentir uma lesão na coxa direita após tentar um cruzamento. À beira do campo, Dunga se mostrava inquieto com a inoperância da seleção.

Julio Baptista marca, mas castigo vem

O Equador voltou para a segunda etapa em ritmo mais lento. No entanto, manteve o domínio, marcando o Brasil na saída de bola e chegando ao ataque com consistência. Mas novamente esbarrou em Julio César, que fez mais defesas espetaculares. Neste momento, a seleção brasileira estava completamente acuada e tinha raras oportunidades de gol. Na melhor delas, aos 15 minutos, Luis Fabiano recebeu passe de Robinho e chutou em cima de Cevallos.

Para tentar mudar o panorama da partida, Dunga mexeu duas vezes no segundo tempo. Primeiro, tirou Elano e colocou Josué, mas foi a segunda substituição que acabou sendo decisiva. No primeiro lance que de que participou, aos 27 minutos, depois de entrar no lugar de Ronaldinho Gaúcho, Julio Batista arriscou de fora da área. A bola tocou na trave, nas costas do goleiro Cevallos e entrou. Foi o sétimo gol do jogador do Roma em 37 partidas disputadas com a camisa da seleção.

Mesmo com a vantagem, a seleção continuou a ser dominada pelo Equador e até teve chance de selar a vitória, depois que Luis Fabiano acertou uma bola na trave. A punição veio logo em seguida, depois que Méndez fez grande jogada pela direita e cruzou. Julio César fez outra grande defesa, mas Noboa pegou o rebote e empatou aos 44 minutos.

Ficha do jogo

EQUADOR 1 x 1 BRASIL
Cevallos, Reasco, Ivan Hurtado, Espinoza e Ayoví; Castillo, Méndez, Guerrón (Noboa) e Valencia; Benítez e Caicedo (Palacios). Julio César, Maicon (Daniel Alves), Lúcio, Luisão e Marcelo; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano (Josué) e Ronaldinho Gaúcho (Julio Baptista); Robinho e Luis Fabiano.
Técnico: Sixto Vizuete. Técnico: Dunga.
Gol: Julio Baptista, aos 27, e Noboa, aos 44 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Ayoví (Equador); Elano, Gilberto Silva, Marcelo e Daniel Alves (Brasil).
Estádio: Olímpico de Atahualpa, em Quito (EQU). Data: 29/03/2009. Árbitro: Carlos Chandía (CHI). Auxiliares: Lorenzo Acuña (CHI) e Sergio Román (CHI).

Fonte: Globo.com


Comentário da Redação
Os covardes de azul

Mais uma vez a seleção brasileira, na era Dunga, se comportou como um time nanico e empatou com o Equador, em Quito. Empate que, aliás, deve ser comemorado, pois o placar mais justo desse jogo seria 4 ou 5 a 1 para os anfitriões.

O Brasil foi convarde durantes os noventa minutos. Parece que a altitude pode ser justificativa para tudo. Até mesmo para a falta de ATITUDE de alguns jogadores.

Fora a desarrumação tática, os craques brasileiros não quiseram buscar o jogo e tirar a defesa do sufoco que durou 90 minutos. Julio César recebeu um bombardeio inesquecível e acabou castigado no último lance de jogo.

Do banco não dá para esperar nada mesmo, pois um treinador que vê seu time ser massacrado e coloca Josué no lugar de Elano não merece comentários.

Mais uma constatação: Kaká faz muita falta para a seleção e, pior ainda, Ronaldinho não consegue suprir, nem de longe, a importância do camisa 22 do Milan.

Conceitos

Julio César - EXECELENTE: Há tempos eu não via uma atuação tão extraordinária de um goleiro em um jogo de futebol. Melhor em campo disparado.
Maicon - SEM CONCEITO: Se machucou logo no início.
(Daniel Alves) - REGULAR: Muito discreto. Nem de longe lembra o perigoso ala do Barcelona.
Lúcio - REGULAR: Não sabia quem marcar. Falhou no gol do Equador.
Luisão - PÉSSIMO: Jogador lento, sem recursos e que não perde uma oportunidade de dar uma botinada.
Marcelo - PÉSSIMO: Não tem condições de ser titular da seleção. Ofereceu uma avenida no seu setor de defesa e pouco fez no ataque.
Gilberto Silva - PÉSSIMO: Não responsabilizo ele, especificamente, pelo mal futebol da seleção no jogo de hoje. Mas é triste ver um jogador desses com tanta confiança do treinador, enquanto outros são preteridos sem explicação.
Felipe Melo - REGULAR: Vale o mesmo comentário feito ao Gilberto Silva, com duas ressalvas: Ele foi um pouco e melhor e é um pouco mais novo, o que também não muda muita coisa.
Elano - PÉSSIMO: Sentiu muito o jogo e a responsabilidade.
(Josué) - REGULAR: Entrou e não mudou nada, apesar do Dunga achar o contrário.
Ronaldinho Gaúcho
(Julio Baptista) - ÓTIMO: Não sou admirador dele, mas é indiscutível a estrela dele na seleção brasileira. Entrou e fez o que o Luiz Fabiano não fez nas três oportunidades idênticas que teve.
Robinho - PÉSSIMO: Nem de longe lembrou a atuação do jogo de ida, no Maracanã.
Luis Fabiano - PÉSSIMO: Um artilheiro não pode perder as chances que ele perdeu.
Téc: Dunga - PÉSSIMO: Escalpou mal e mexeu mal. Não adianta cornetar, pois sabemos que será assim enquanto ele estiver por lá.


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

F1 > Button vence na Austrália e Brawn faz história

* Barrichelo conquista o segundo lugar; Hamilton conquista o terceiro lugar

A Brawn entrou para a História da Fórmula 1 neste domingo ao fazer dobradinha no GP da Austrália, com Jenson Button vencendo e terminando à frente de Rubens Barrichello. Foi a primeira vez desde 1954 que uma equipe fez dobradinha na estreia - a outra foi a Mercedes, no GP da França. O inglês dominou a corrida de ponta a ponta, enquanto o brasileiro teve uma corrida cheia de incidentes e herdou o segundo lugar após uma batida entre Robert Kubica e Sebastian Vettel a três voltas do final. Jarno Trulli, da Toyota, cruzou em terceiro após fazer uma ótima corrida de recuperação, mas foi punido com o acréscimo de 25 segundos ao seu tempo de prova por ter feito uma ultrapassagem sob bandeira amarela.

Com isso, herdou o terceiro lugar o campeão mundial Lewis Hamilton (McLaren), que, com um limitado McLaren, fez uma uma corrida inteligente, sem erros e aproveitando os abandonos à sua frente. Completaram a zona de pontuação Timo Glock (Toyota), Fernando Alonso (Renault), Nico Rosberg (Williams), Sebastien Buemi (Toro Rosso), que marcou um ponto na sua estreia, e Sebastien Bourdais (Toro Rosso).

Os outros dois brasileiros abandonaram. Felipe Massa chegou a ocupar o terceiro lugar em boa parte da prova, mas teve um problema mecânico e parou a oito voltas do final. Já Nelsinho Piquet vinha fazendo boa corrida após largar de 14º, mas perdeu o controle de seu Renault e parou na caixa de brita quando era o sétimo colocado.

RESULTADO FINAL
1º - Jenson Button (ING) Brawn-Mercedes - 58 voltas em 1h34m15s784
2º - Rubens Barrichello (BRA) Brawn-Mercedes - a 0s807
3º - Lewis Hamilton (ING) McLaren-Mercedes - a 2s914
4º - Timo Glock (ALE) Toyota - a 4s435
5º - Fernando Alonso (ESP) Renault - a 4s879
6º - Nico Rosberg (ALE) Williams-Toyota - a 5s722
7º - Sebastien Buemi (SUI) Toro Rosso-Ferrari - a 6s004
8º - Sebastien Bourdais (FRA) Toro Rosso-Ferrari - a 6s298
9º - Adrian Sutil (ALE) Force India-Mercedes - a 6s335
10º - Nick Heidfeld (ALE) BMW Sauber - a 7s085
11º - Giancarlo Fisichella (ITA) Force India-Mercedes - a 7s374
12º - Jarno Trulli (ITA) Toyota - a 26s604*
13º - Mark Webber (AUS) Red Bull-Renault - a uma volta
14º - Sebastian Vettel (ALE) Red Bull-Ferrari - a duas voltas (acidente)
15º - Robert Kubica (POL) BMW Sauber - a três voltas (acidente)
16º - Kimi Raikkonen (FIN) Ferrari - a três voltas (mecânico)

*punido com o acréscimo de 25 segundos ao seu tempo de prova

ABANDONOS
Felipe Massa (BRA) Ferrari - a 12 voltas (mecânico)
Nelsinho Piquet (BRA) Renault - a 32 voltas (saída de pista/freios)
Kazuki Nakajima (JAP) Williams-Toyota - a 40 voltas (acidente)
Heikki Kovalainen (FIN) McLaren-Mercedes - a 57 voltas (acidente)

Fonte: Lancenet!


Direto da Redação













Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

sábado, 28 de março de 2009

F1 > Brawn faz dobradinha na Austrália

* Na estreia da nova equipe, Button larga na frente, seguido por Rubens Barrichelo

Até 4 de março, ela não existia. Neste sábado, a equipe Brawn GP comprovou os bons resultados nos dois testes que fez e colocou os seus dois pilotos na primeira fila do GP da Austrália. Com o domínio total da sessão, o inglês Jenson Button conquistou a pole position com o tempo de 1min26s202, na madrugada deste sábado. O brasileiro Rubens Barrichello ficou 0s303 atrás de seu companheiro de equipe e sairá na segunda posição, após ser o melhor nas duas primeiras etapas do treino.

Esta é a quarta vez que Button sairá na frente de uma prova da Fórmula 1, sendo a primeira desde a edição 2006 do mesmo GP da Austrália. A segunda fila terá duas das maiores revelações da categoria: o alemão Sebastian Vettel (Red Bull) e o polonês Robert Kubica (BMW Sauber). Nico Rosberg, da Willians, larga em quinto.

Por outro lado, os dois protagonistas da temporada 2008 foram meros coadjuvantes. Atual vice-campeão, Felipe Massa sai apenas na sxta colocação do GP de abertura da temporada, enquanto o inglês Lewis Hamilton larga em 18º lugar, já que foi punido após trocar a caixa de câmbio. Na pista, o campeão foi 15º.

A Renault foi outra que mostrou desempenho ruim, vendo os dois carros alijados da briga pela pole position. O espanhol Fernando Alonso só sairá na 10ª colocação, cinco postos a frente do brasileiro Nelsinho Piquet, pela punição dada aos dois carros da Toyota.

Confira o grid de largada na Austrália

1. Jenson Button (GBR) - Brawn GP - 1min26s202
2. Rubens Barrichello (BRA) - Brawn GP - 1min26s505
3. Sebastian Vettel (ALE) - Red Bull - 1min26s830
4. Robert Kubica (POL) - BMW - 1min26s914
5. Nico Rosberg (ALE) - Williams - 1min26s973
6. Felipe Massa (BRA) - Ferrari - 1min27s033
7. Kimi Räikkönen (FIN) - Ferrari - 1min27s163
8. Mark Webber (AUS) - Red Bull - 1min27s246
9. Nick Heidfeld (ALE) - BMW - 1min25s504
10. Fernando Alonso (ESP) - Renault - 1min25s605
11. Kazuki Nakajima (JAP) - Williams - 1min25s607
12. Heikki Kovalainen (FIN) - McLaren - 1min25s726
13. Sébastien Buemi (SUI) - Toro Rosso - 1min26s503
14. Nelsinho Piquet (BRA) - Renault - 1min26s598
15. Giancarlo Fisichella (ITA) - Force India - 1min26s677
16. Adrian Sutil (ALE) - Force India - 1min26s742
17. Sébastien Bourdais (FRA) - Toro Rosso - 1min26s964
18. Lewis Hamilton (GBR) - McLaren - sem tempo*
19. Timo Glock (ALE) - Toyota - desclassificado**
20. Jarno Trulli (ITA) - Toyota - desclassificado**
* Terminou em 15º no treino, mas foi punido com a perda de cinco posições
** Desclassificados do treino por uso de asa traseira "extremamente flexível". Na pista, Glock foi sexto e Trulli, oitavo.


Largada
Neste domingo - 3h (horário de Brasília)
Ao vivo - Rede Globo

Fonte: Uol

Direto da Redação













Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

sexta-feira, 27 de março de 2009

Campeonato Paulista > 16ª Rodada

Resultados
24/03

Oeste 1x2 Mogi Mirim
24/03

Palmeiras 2x1 Bragantino
24/03

Barueri 2x2 Marília
24/03

São Caetano 2x0 Guarani
25/03

Santos 3x0 Santo André
25/03

Paulista 2x3 Botafogo
25/03

Portuguesa 2x2 Mirassol
25/03

Guaratinguetá 5x0 Ituano
25/03

Corinthians 2x2 Ponte Preta
25/03

Noroeste 1x2 São Paulo


Classificação
Pos
Time
P
J
V
E
D
GP
GC
SG
1 Palmeiras 40 16 12 4 0 35 14 21
2 Corinthians 34 16 9 7 0 28 13 15
3 São Paulo 33 16 10 3 3 28 14 14
4 Portuguesa 31 16 9 4 3 21 14 7
5 Santos 30 16 9 3 4 24 15 9
6 Santo André 27 16 8 3 5 25 16 9
7 Barueri 26 16 7 5 4 28 24 4
8 Mirassol 21 16 5 6 5 27 29 -2
9 São Caetano 20 16 6 2 8 20 21 -1
10 Ponte Preta 20 16 5 5 6 24 25 -1
11 Botafogo 19 16 5 4 7 23 27 -4
12 Guaratinguetá 18 16 4 6 6 25 28 -3
13 Bragantino 16 16 4 4 8 25 27 -2
14 Ituano 16 16 4 4 8 18 26 -8
15 Oeste 16 16 3 7 6 19 23 -4
16 Paulista 15 16 4 3 9 24 27 -3
17 Marília 15 16 3 6 7 21 33 -12
18 Noroeste 14 16 3 5 8 16 24 -8
19 Guarani 13 16 3 4 9 11 24 -13
20 Mogi Mirim 12 16 3 3 10 12 30 -18


Artilharia
12 gols
Keirrison (Palmeiras)

10 gols
Pedrão (Barueri)
Zé Carlos (Paulista)
Washington (São Paulo)

9 gols
Edno (Portuguesa)

8 gols
Thiago Humberto (Barueri)
Danilo Neco (Ponte Preta)

7 gols
Alex Afonso (Ituano)
Pablo Escobar (Santo André)

6 gols
Chicão (Corinthians)
Abuda e Fabiano Gadelha (Marília)
Luís Ricardo (Mirassol)
Lenny (Palmeiras)


Próximos jogos
28/03 16h10 São Paulo x Palmeiras
28/03 16h10 Barueri x Santos
28/03 18h30 Mirassol x Noroeste
28/03 18h30 Mogi Mirim x Botafogo
28/03 18h30 Ituano x Paulista
28/03 19h10 Santo André x Oeste
28/03 20h30 Bragantino x São Caetano
28/03 21h10 Guarani x Corinthians
29/03 16h Ponte Preta x Guaratinguetá
29/03 16h Portuguesa x Marília


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

F1 > Rosberg acelera nos treinos livres

* Barrichelo fica em segundo

Mais uma vez equipes com pouca ou nenhuma cotação na temporada passada dominaram os treinos livres para o Grande Prêmio da Austrália, em Melbourne, na madrugada desta sexta-feira, no horário de Brasília. Na segunda sessão de treinos, o alemão Nico Rosberg, da Williams, liderou novamente como havia feito no primeiro treino, desta vez com o tempo de 1m26s053, seguido pelo brasileiro Rubens Barrichello 1m26s157, da Brawn GP, e em terceiro apareceu o italiano Jarno Trulli, também da Toyota, com 1m26s350.

O vice-campeão mundial de 2008, o brasileiro Felipe Massa, da Ferrari, que havia sido o sétimo na primeira sessão, ficou em décimo lugar, enquanto que o atual campeão, o inglês Lewis Hamilton só conseguiu o 18º tempo. O espanhol Fernando Alonso, da Renault, ficou em 12º, e seu companheiro de equipe, o brasileiro Nelsinho Piquet fez o 19º e penúltimo tempo.

Confira a classificação dos treinos livres

1°) Nico Rosberg (ALE/Williams) - 1m26s053 (36 voltas)
2°) Rubens Barrichello (BRA/Brawn GP) - a 0s104 (38)
3°) Jarno Trulli (ITA/Toyota) - a 0s297 (42)
4°) Mark Webber (AUS/RBR) - a 0s317 (30)
5°) Jenson Button (ING/Brawn GP) - a 0s321 (38)
6°) Timo Glock (ALE/Toyota) - a 0s390 (42)
7°) Kazuki Nakajima (JAP/Williams) - a 0s507 (33)
8°) Sebastian Vettel (ALE/RBR) - a 0s687 (19)
9°) Adrian Sutil (ALE/Force India) - a 0s987 (29)
10°) Felipe Massa (BRA/Ferrari) - a 1s011 (35)
11°) Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) - a 1s151 (32)
12°) Fernando Alonso (ESP/Renault) - a 1s179 (28)
13°) Giancarlo Fisichella (ITA/Force India) - a 1s229 (32)
14°) Nick Heidfeld (ALE/BMW) - a 1s264 (34)
15°) Robert Kubica (POL/BMW) - a 1s345 (36)
16°) Sébastien Bourdais (FRA/STR) - a 1s426 (36)
17°) Heikki Kovalainen (FIN/McLaren) - a 1s749 (35)
18°) Lewis Hamilton (ING/McLaren) - a 1s760 (31)
19°) Nelsinho Piquet (BRA/Renault) - a 1s775 (35)
20°) Sébastien Buemi (SUI/STR) - a 2s023 (33)


Barrichelo: "Me sinto melhor do que na Ferrari"

Após os dois primeiros treinos livres para o GP da Austrália, Rubens Barrichello afirma que nunca esteve tão feliz na Fórmula 1 quanto agora, na Brawn GP. O brasileiro acha que poderá brigar pelo título mundial com a nova equipe e diz que está mais satisfeito que na época da Ferrari, quando sofria com a preferência por Michael Schumacher.

- Estou mais feliz na Brawn do que quando vencia corridas na Ferrari. É muito melhor, porque sei que não terei de dividir nada com ninguém. Agora é algo justo com um carro competitivo - diz Barrichello, em entrevista ao site da revista inglesa "Autosport".

A Brawn está entre as favoritas para a corrida deste fim de semana em Melbourne. Barrichello está muito otimista com o desempenho do carro.

- Pelo que pude sentir, o carro é muito competitivo. Só precisamos ver como será a evolução ao longo do ano. Temos um orçamento pequeno, ainda sem patrocinadores. Então será um atemporada difícil. Mas a Fórmula 1 está mais aberta para as equipes menores. Tudo está a nosso favor.

Fonte: Globo.com


Direto da Redação













Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

quinta-feira, 26 de março de 2009

Campeonato Paulista > Ronaldo marca dois, mas Corinthians só empata

* Ponte Preta arranca um ponto em São Paulo: 2 a 2

Ronaldo deu o seu show particular na noite desta quarta-feira, no estádio do Pacaembu, mas o restante do elenco dessa vez não o acompanhou. Depois de sair perdendo para a Ponte Preta, pela 16ª rodada do Campeonato Paulista, o Corinthians virou com dois gols do Fenômeno, mas a defesa falhou e permitiu o empate por 2 a 2.

O resultado, embora ruim por ser dentro de casa, mantém o Timão invicto na temporada e tranquilo na segunda colocação do Estadual, agora com 34 pontos. Já a Ponte Preta, que vinha de derrota vexatória em Campinas para o Barueri, segue em posição intermediária, com 20 pontos conquistados em 16 jogos.

Fenômeno de pênalti

O Corinthians iniciou a partida com toque de bola envolvente e pressionando a Ponte Preta no campo de defesa. Só que a primeira chance real de gol foi criada apenas aos 7 minutos, quando Douglas ajeitou para Wellington Saci emendar chute de longe. O goleiro Aranha apenas olhou a bola passar à direita.

Além da maior posse de bola, a equipe anfitriã marcava com eficiência a saída de bola do adversário. Perdido, o time de Campinas começou a abusar das falta e dar ao Timão a chance de criar suas melhores jogadas nas bolas paradas. Aos 17, por exemplo, Cristian cruzou falta, Ronaldo cabeceou e Aranha defendeu.

O lance animou o Corinthians e aos 25 minutos Cristian arriscou chute forte de fora da área, que passou por cima do gol da Ponte. Cinco minutos mais tarde, de novo em bola parada, outra boa chance de abrir o marcador. O zagueiro Chicão bateu colocado e obrigou o goleiro Aranha a fazer boa defesa.

A superioridade do Timão, porém, não impediu que a Ponte Preta abrisse o placar aos 32 minutos. A defesa do Corinthians vacilou e Leandrinho apareceu livre na cara de Felipe, que saiu do gol para tentar evitar o chute, mas foi encoberto. A zaga dos donos casa tinha parado para pedir impedimento, mas Alessandro dava condição.

Quem tem Ronaldo, porém, não precisa se preocupar. O camisa 9 chamou a responsabilidade para si e construiu o empate do Timão. Aos 35 minutos, após ótima passe em profundidade de Elias, o Fenômeno foi derrubado. Pênalti. Na cobrança, aos 36, o craque mostrou o porquê tem esse status há tantos anos.

Com calma, ele partiu para a bola, esperou Aranha escolher o canto e tocou com categoria no meio do gol. Apressado, mas sorrindo, Ronaldo correu para o fundo das redes, pegou a bola e tratou de reiniciar a partida rapidamente. Parecia pressentir que teria outra chance aos 38. Só não esperava furar o cruzamento de Alessandro.

Ponte arranca empate

As duas equipes voltaram para a segunda etapa sem alterações. A Ponte Preta, porém, mudou sua postura e apareceu com perigo em dois lances antes dos cinco minutos. No primeiro, Cristian evitou o gol da Macaca. No segundo, o goleiro Felipe saiu nos pés do atacante para salvar a equipe do Parque São Jorge.

O time de Campinas, no entanto, não soube aproveitar o bom momento. Aos 8 minutos, o lateral-direito Edílson fez falta dura em Wellington Saci e, com já tinha sido advertido com o cartão amarelo no primeiro tempo, foi expulso de campo. Logo depois, o corintiano Douglas, machucado, deu lugar ao atacante Otacílio Neto.

Em superioridade numérica, o Corinthians encontrou espaços. E a Ponte Preta deu liberdade a quem não poderia dar: o Fenômeno. Aos 12 minutos, o craque recebeu na grande área, deu belo corte seco no marcador e bateu colocado de perna esquerda, sem chance de defesa para o goleiro Aranha.

Com mais dois gols na conta, o Fenômeno começou a tentar servir os companheiros, como aos 21 minutos. Ele rolou a bola para o fã Dentinho, que dominou e chutou cruzado de perna direita para fora. Dois minutos depois, o camisa 31 deixou o campo na maca móvel após sentir lesão muscular. Lulinha entrou em seu lugar.

A Ponte Preta poderia até parecer morta, mas não estava. A equipe de Campinas continuou tentando e chegou ao empate aos 30 minutos. Após cruzamento da direita, Chicão e Boquita não subiram para cortar, Felipe ficou parado debaixo da trave e Gum apareceu para cabecear para o fundo do gol: 2 a 2.

Ronaldo, então, voltou a aparecer com qualidade ímpar. Aos 34 minutos, ele deu lindo passe de calcanhar para Otacílio Neto, que sofreu falta bem perto da grande área. O Fenômeno até que ficou na bola para cobrança, mas foi Chicão quem bateu e obrigou Aranha a fazer excelente defesa e evitar o que seria o terceiro do Timão.

Os anfitriões mantiveram a pressão até o final. Tanto que em determinado momento o técnico Mano Menezes tirou o zagueiro Diego para colocar o atacante Souza. Aos 49 minutos, emoção na grande área. Ronaldo recebeu, tentou driblar, foi desarmado por um zagueiro e reclamou toque de mão. Mas o árbitro negou.

Ficha do jogo
CORINTHIANS 2x2 PONTE PRETA
Felipe; Alessandro, Chicão, Diego (Souza) e Wellington Saci; Cristian, Elias, Boquita e Douglas (Otacílio Neto); Dentinho (Lulinha) e Ronaldo. Aranha; Edílson, Gum, Jean e Alessandro; Deda, Guilherme, William, Dener (Tinga) e Leandrinho (Bia); Márcio Mexirica (Savóia).
Técnico: Mano Menezes. Técnico: Marco Aurélio.
Gols: Leandrinho, aos 32 minutos, e Ronaldo, aos 36 do primeiro tempo; Ronaldo, aos 12 minutos, Gum, aos 30 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Cristian (C); Edílson, William, Gum, Jean (P) . Cartão vermelho: Edílson (P). Público: 19.945 pagantes Renda: R$ 506.261,50
Estádio: Pacaembu. Data: 25/03/2009. Árbitro: Robinson José Andréa de Góes. Auxiliares: Cláudio Roberto da Costa e Fábio Rogério Baesteiro.

Fonte: Globo.com


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

Copa Libertadores > Frango em Cochabamba garante vitória gremista

* Tricolor segue na liderança do grupo 7

O Grêmio desperdiçou uma montanha de gols, teve um jogador expulso e esteve em vias de perder pontos para o fraco time do Aurora, mas um gol de Tcheco aos 42 minutos do segundo tempo, em frangaço do goleiro Dulcich, garantiu a vitória por 2 a 1. Jonas havia marcado o primeiro gol do Tricolor, que depois cedeu o empate em gol de Paredes.

A imperícia do time gaúcho nas conclusões a gol havia transformado o goleiro Dulcich em melhor jogador em campo na cidade de Cochabamba. Isso até ele levar o frango.

Com a vitória, o Grêmio fechou o primeiro turno da etapa de grupos na liderança de sua chave na Taça Libertadores, com sete pontos, um à frente do Boyacá Chicó, da Colômbia. O Universidad de Chile aparece em terceiro, com quatro pontos. O Aurora, na lanterna, segue zerado. Como restam dois jogos em casa e apenas um como visitante na primeira fase, o Tricolor não deve ter problemas para se classificar.

Ficha do jogo

AURORA 1 x 2 GRÊMIO

Dulcich, Castellón (Rodríguez), Edward Zenteno, Leonforte, Méndez e Edson Zenteno (López); Escobar, Fernandez, Cardozo (Sossa) e Bongioanni; Paredes. Victor, Léo, Réver e Rafael Marques; Ruy (Makelele), Adílson (Thiego), Tcheco, Souza e Fábio Santos; Jonas e Alex Mineiro (Herrera).
Técnico: Julio César Baldivieso. Técnico: Celso Roth.
Gols: Jonas, aos 41 minutos do primeiro tempo, e Paredes, aos oito, e Tcheco, aos 41 do segundo.
Cartões amarelos: Paredes, Edward Zenteno e Cardozo (Aurora), Ruy e Adílson (Grêmio). Cartão vermelho: Jonas (Grêmio)
Estádio: Félix Capriles, em Cochabamba (Bolívia). Data: 25/03/2009. Horário: 21h50m (de Brasília). Árbitro: Juan Soto (Venezuela). Auxiliares: Plácido Chuello (Venezuela) e Jorge Urrego (Venezuela).


Fonte: Globo.com
Foto: Reuters



Direto da Redação











Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

Campeonato Paulista > São Paulo sofre para derrotar o Noroeste

* Tricolor vence por 2 a 1 e se mantém no terceiro lugar

Mesmo sem mostrar um grande futebol, o São Paulo fez o suficiente, venceu o Noroeste e ficou mais perto da classificação para a fase semifinal do Campeonato Paulista . Com gols de Washington e Jorge Wagner, o Tricolor venceu o Noroeste por 2 a 1, em partida realizada no estádio Alfredo de Castilho, em Bauru.

Foi a quinta vitória são-paulina como visitante no estadual. O time manteve a terceira posição na tabela, com 33 pontos. Já o Noroeste, que sofreu a sua oitava derrota em 15 partidas, segue na zona de rebaixamento, com 14 pontos.

Nada de gol

Mesmo não fazendo uma grande partida, o São Paulo foi superior ao Noroeste no primeiro tempo, mas pecou nas finalizações. Sem poder contar com dois de seus quatro zagueiros (Miranda está na seleção brasileira e Renato Silva, suspenso), o técnico Muricy Ramalho resolveu modificar o esquema tático do time, passando do 3-5-2 para o 4-4-2, usando as tradicionais duas linhas de quatro. A primeira com Zé Luis, André Dias, Rodrigo e Junior Cesar. A segunda com Arouca, Jean, Hernanes e Jorge Wagner.

O jogo começou em alta velocidade. O Noroeste, precisando vencer para escapar da zona de rebaixamento, criou a primeira jogada de perigo. Aos 3min, após cruzamento na área, Marcelinho tocou de cabeça e a bola raspou a trave direita de Rogério Ceni. O São Paulo respondeu com Borges, aos sete minutos, em cabeçada por cima do gol.

Aos 12min, o Tricolor teve uma grande chance para marcar. Hernanes fez lançamento precioso para Washington, que dominou errado e permitiu o corte de Éder. Oito minutos depois, Hernanes cobrou escanteio, Vizzotto espalmou errado e André Dias, na sobra, bateu à direita do gol adversário.

Após esse lance, o ritmo da partida caiu demais. Havia muita disputa no meio-campo e pouca criatividade. O São Paulo errava muitos passes. Já o Noroeste tinha vontade, mas esbarrava na falta de qualidade técnica.

Quando finalmente conseguiu colocar a bola no chão, o Tricolor chegou com perigo. Aos 41min, Jorge Wagner tocou para Washington, que rolou para Borges. O atacante bateu rasteiro, no canto direito de Vizzotto, que espalmou pela linha de fundo. Três minutos depois, o goleiro do Noroeste voltou a fazer bela defesa, desta vez em chute de Hernanes.

São Paulo segura vitória

Os dois times voltaram com as mesmas formações. E, aos cinco minutos, o São Paulo abriu o marcador. Após toque de Arouca para a área, Marcelinho falhou e cabeceou para trás. Washington pegou a sobra, driblou Vizzotto e bateu para o gol vazio. Foi o décimo gol do atacante no Campeonato Paulista.

Em vantagem, o São Paulo passou a jogar como gosta, valorizando a posse de bola e usando o contra-ataque. Aos 16min, após bola cruzada na área, Zé Luis fez o segundo gol, mas a arbitragem anulou, alegando impedimento do são-paulino, que não existiu. Mas, dois minutos depois, não teve jeito e o Tricolor fez o segundo gol. Washington avançou pela direita e tocou para Borges que, na entrada da área, rolou para Jorge Wagner. Pela esquerda da área, o camisa sete bateu no canto esquerdo de Vizzotto e saiu para o abraço.

Com 2 a 0, o jogo parecia definido. Mas o Noroeste não se entregou. O técnico Fahel Júnior colocou o atacante Joãozinho na vaga do lateral-esquerdo Cláudio. Com três homens de frente, o time foi com tudo para o ataque. E, aos 20min, Marcelinho, de cabeça, diminuiu a vantagem são-paulina. Rogério Ceni chegou a tocar na bola, mas ela já havia passado a linha do gol.

O gol animou o time da casa. No São Paulo, o técnico Muricy Ramalho foi obrigado a fazer a primeira alteração. Borges sentiu uma lesão no joelho esquerdo e foi substituído por Hugo. Com um homem a mais no meio-campo, o Tricolor conseguiu controlar o ímpeto do Noroeste. E voltou a criar chances de gol. Aos 36min, após jogada de Hugo, Jean bateu com perigo de fora da área, à direita de Vizzotto. Já nos descontos, Hernanes cruzou para Hugo, que bateu no canto direito do goleiro do Noroeste, que fez bela vitória. Foi o último lance de perigo da partida.

Ficha do jogo
NOROESTE 1 x 2 SÃO PAULO
Fernando Vizzotto; Éder, Anderson Marques, Marcelinho e Cláudio (Joãozinho); Júlio Bastos, Bilu, Bruno César e Gilsinho (Luciano Bebê); Careca (Léo Mineiro) e Marinho. Rogério Ceni; Zé Luis, André Dias, Rodrigo e Junior Cesar; Jean, Arouca, Hernanes e Jorge Wagner; Borges (Hugo) e Washington.
Técnico: Fahel Júnior. Técnico: Muricy Ramalho.
Gol: Washington, aos 5min, Jorge Wagner, aos 18min e Marcelinho, aos 20min do segundo tempo.
Cartões amarelos: Gilsinho e Bilu (Noroeste). André Dias, Rodrigo e Washington (São Paulo).
Estádio: Dr. Alfredo de Castilho. Data: 25/03/2009. Árbitro: Leonardo Ferreira Lima. Auxiliares: Alessandro Pitol Arantes e Fábio Luiz Freire.

Fonte: Globo.com


Direto da Redação











Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

quarta-feira, 25 de março de 2009

Campeonato Paulista > Santos atropela o Santo André e fica próximo do G4

* Garoto Neymar deixa sua marca novamente

O Santos se recuperou no Campeonato Paulista. Com grande atuação de Neymar e Madson, o time comandado por Vágner Mancini derrotou o Santo André por 3 a 0, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, e se aproximou da zona de classificação para as semifinais.

Com o resultado, o Santos está no quinto lugar, com 30 pontos, um a menos que a Portuguesa, que empatou com o Mirassol no Canindé e foi a 31 pontos. O São Paulo venceu o Noroeste e terceiro com 33.

Susto... e bola na rede!

Os dois sustos que levou logo no início da partida, quando o Santo André quase abriu o placar nos primeiros minutos da partida, fizeram o Santos acordar. Logo o primeiro minuto de jogo, Marcelinho Carioca cobrou falta com muito veneno e Cesinha apareceu sozinho para cabecear. A bola passou à direita, raspando a trave. Em seguida, Antônio Flávio recebeu, fez o giro e cruzou rasteiro. Fábio Costa caiu para defender.

Parecia que o Ramalhão atropelaria o Peixe na Vila Belmiro. Mas aos poucos, o time da casa colocou a bola no chão, respirou e passou a criar chances. O técnico Vagner Mancini manteve o esquema com três jogadores mais à frente, mas mudou as peças. Madson atuou aberto pela direita, na vaga de Roni, com Kléber Pereira pelo meio e Neymar na esquerda. No meio-de-campo, Paulo Henrique Lima jogou na vaga de Lucio Flavio.

Esse quarteto se entendeu muito bem em campo. Com toques rápidos e boa visão de jogo, Paulo Henrique, apesar de não ser veloz, fez seus companheiros correrem. Neymar, cortando da esquerda para o meio, deixava marcadores para trás com extrema facilidade. Pela direita, Madson combinava boas jogadas com Luizinho. Com tantas alternativas, o Santos conseguiu desmontar a marcação adversária.

Aos 18, Neymar fez linda jogada pela esquerda, deixou seu marcador no chão, veio cortando pelo meio e passou para Madson soltar uma bomba de pé esquerdo. A bola saiu com tanto efeito que enganou o goleiro Neneca.

O gol animou ainda mais os santistas, que buscavam o ataque a todo momento. Claro que essa ânsia de marcar o segundo gol fez com que o Alvinegro abrisse espaços para o Santo André atacar. Marcelinho, sempre livre, conseguia achar seus companheiros desmarcados. Faltou ao Ramalhão, porém, maior capricho no passe final.

Aos poucos, o Santos foi diminuindo o ritmo, trocando passes e respirando. E foi numa boa combinação de passes que saiu o segundo gol. Paulo Henrique acertou bom passe para Kléber Pereira, que fez o papel de pivô e ajeitou para Triguinho, que vinha de trás, bater de esquerda. A bomba, certeira, entrou no canto esquerdo.

Caixão fechado

O Santos voltou para o segundo tempo procurando controlar mais o jogo. O Santo André procurou pressionar as saídas de bola do time da casa e chegou até a dominar a posse de bola, posicionando seus zagueiros na altura do meio-de-campo. No entanto, não foi suficiente para ameaçar o gol de Fábio Costa.

O Peixe atraía o adversário e se lançava em contra-ataques rápidos, puxados principalmente por Neymar e Madson. A estratégia deu certo. Aos 21, o baixinho desceu em velocidade pela direita, chegou à linha de fundo e cruzou para trás. Neymar dominou e apenas rolou no canto esquerdo. Estava liquidada a fatura.

O Santo André assustou num chute no travessão de Dirceu. No mais, quem levou mais perigo foi o Santos, em contra-ataques rápidos. Neymar e Paulo Henrique deixaram o gramado mais cedo e foram aplaudidos.

Ficha do jogo
SANTOS 3 x 0 SANTO ANDRÉ
Fábio Costa, Luizinho, Fabão, Fabiano Eller e Triguinho (Domingos); Roberto Brum, Rodrigo Souto, Paulo Henrique Lima (Roni) e Madson; Neymar (Pará) e Kléber Pereira Neneca, Cicinho (Ricardo Goulart), César Augusto, Marcel e Elvis; Fernando, Ricardo Conceição, Dirceu e Marcelinho Carioca; Antônio Flávio (Clodoaldo) e Júnior Dutra (Moraes).
Técnico: Vagner Mancini. Técnico: Sérgio Guedes.
Gols: Madson, aos 18, e Triguinho, aos 39 minutos do primeiro tempo; Neymar, aos 21 minutos do segundo tempo,
Cartões amarelos: Marcelinho Carioca, Moraes, Ricardo Conceição (Santo André), Fabão, Roberto Brum, Triguinho (Santos) .
Estádio: Vila Belmiro, em Santos, SP. Data: 25/03/2009. Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho. Auxiliares: Vicente Romano Neto e Giovani César Canzian. Público e renda: 9.572 pagantes/R$ 106.205,00

Fonte: Globo.com


Comentário da Redação
Um chocolate

A páscoa ainda não chegou, mas o Santo André já recebeu o seu chocolate de presente do Santos. Na melhor atuação do ano, o Peixe soube impôr seu ritmo e fez prevaler o mando de campo. Em dois minutos o Ramalhão assustou duas vezes, mas depois disso o time do ABC praticamente não existiu em campo.

Isso porque Mancini não foi teimoso e não insistiu naquela desastrosa formação que enfrentou o Corinthians. Lúcio Flávio e Roni foram para o banco e deram lugar a Mádson, que jamais deveria ter saído do time, e Paulo Henrique, que jogou muito bem hoje. O Santos ganhou em velocidade e qualidade.

Mádson e Neymar participaram tanto do jogo, fazendo a movimentação pelos flancos do campo, que sobrou ao centroavante Kléber Pereira, antes considerado o principal jogador do alvinegro, apenas assistir o jogo. Nesse esquema, até o Triguinho jogou bem - acredite se quiser.

E falando em Neymar... esse moleque joga bola demais! Ele deu uma nova cara e uma nova vida ao time do Santos. Contra o Corinthians ele sentiu um pouco a pressão do jogo, é verdade. Mas ele jogou também em uma posição errada e acho que se tivesse no mesmo esquema de hoje, com Mádson em campo, o menino poderia ter rendido muito mais.

A classificação voltou a ser realidade, pois a Portuguesa, como eu havia alertado, apenas empatou e deixou tudo aberto novamente. Sinceramente, acredito muito que esse time do Santos que entrou em campo possa fazer sucesso. A vitória de hoje pode ser fundamental para isso.

Conceitos

Fábio Costa - BOM: Fez uma defesa incrível na cabeçada do ex-santista Moraes.
Luizinho - PÉSSIMO: Figura apagada e atrapalhada.
Fabão - BOM: Ele mete a bola pro mato. Assim ele é muito útil.
Fabiano Eller - BOM: mal tocou na bola, mas esteve bem posicionado.
Triguinho - ÓTIMO: Grande atuação. Até gol ele marcou.
(Domingos) - SEM CONCEITO: Entrou no final do jogo.
Roberto Brum - REGULAR: Às vezes dá um branco nele e ele esquece que joga na frente da defesa e não pode ficar brincando.
Rodrigo Souto - REGULAR: Errou muitos passes. Faz tempo que não joga bem.
Paulo Henrique Lima - BOM: Muita habilidade e pouca movimentação. Apesar disso, fez uma bela atuação.
(Roni) - REGULAR: Foi esforçado nos poucos minutos que esteve em campo.
Madson - ÓTIMO: Inferniza qualquer defesa. Não para de correr um minuto. E apesar do tamanho, bate muito bem na bola.
Neymar - ÓTIMO: Mais um show de bola. O time adversário deu espaço e ele aproveitou para dar um espetáculo. Deixou a sua marca e foi o melhor em campo.
(Pará) - REGULAR: Vacilou na grande chance que teve de transformar a vitória em goleada.
Kléber Pereira - REGULAR: Tocou poucas vezes na bola. Em uma delas, serviu Triguinho, que balançou as redes. O time deixou de ser dependente dele. Méritos para Mancini.
Téc: Vágner Mancini - ÓTIMO: Tudo que ele fez de errado no clássico de domingo foi corrigido hoje. Mancini apostou na velocidade e na habilidade de Madson e Neymar, abrindo o jogo e complicando a marcação do Ramalhão.

Direto da Redação














Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br