Mudou!

O Redação do Esporte mudou de hospedagem! Acesse nosso conteúdo atualizado em: www.redacaoesporte.com.br

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Campeonato Brasileiro > 15ª Rodada

Resultados
29/7 19h30 Coritiba 2 x 2 Botafogo
29/7 19h30 Náutico 1 x 2 Santos
29/7 21h Internacional 3 x 2 Barueri
29/7 21h Goiás 3 x 0 Atlético-PR
29/7 21h50 Palmeiras 1 x 0 Fluminense
29/7 21h50 Cruzeiro 1 x 0 Sport
29/7 21h50 Santo André 1 x 1 Corinthians
30/7 21h Avaí 4 x 0 Vitória
30/7 21h São Paulo 2 x 1 Grêmio
30/7 21h Flamengo 3 x 1 Atlético-MG


Classificação
Pos.
PG J V E D GP GC SG
Palmeiras 31 15 9 4 2 27 14 13
Atlético-MG 28 15 8 4 3 28 17 11
Internacional 27 15 8 3 4 26 20 6
Goiás 26 15 7 5 3 28 18 10
Vitória 24 15 7 3 5 23 19 4
Corinthians *
24 15 7 3 5 21 21 0
Flamengo 23 15 6 5 4 23 23 0
Avaí 22 15 6 4 5 23 19 4
Barueri 22 15 5 7 3 32 23 9
10º Grêmio 21 15 6 3 6 24 18 6
11º São Paulo 21 15 5 6 4 19 18 1
12º Santos 20 15 5 5 5 28 29 -1
13º Santo André 18 15 4 6 5 19 22 -3
14º Cruzeiro 17 14 5 2 7 14 20 -6
15º Coritiba 16 15 4 4 7 20 24 -4
16º Botafogo 16 14 3 7 4 21 24 -3
17º Sport 13 15 3 4 8 22 26 -4
18º Atlético-PR 12 15 3 3 9 14 29 -15
19º Fluminense 11 15 2 5 8 13 25 -12
20º Náutico 11 15 2 5 8 17 33 -16

Legendas:
- Zona de classificação para a Libertadores
* O Corinthians já tem vaga garantida após o título da Copa do Brasil 2009
- Zona de classificação para a Pré-Libertadores
- Zona de classificação para a Sul-americana
- Zona de rebaixamento


Artilharia
9 gols
Val Baiano (Barueri)

8 gols
Diego Tardelli (Atlético-MG)
Adriano (Flamengo)
Felipe (Goiás)
Obina (Palmeiras)
Roger (Vitória)

7 gols
Éder Luis (Atlético-MG)
Gilmar (Náutico)

6 gols
Muriqui (Avaí)
Pedrão (Barueri)
Ronaldo (Corinthians)
Marcelinho Paraíba (Coritiba)
Kléber (Cruzeiro)
Émerson (Flamengo)
Iarley (Goiás)

5 gols
Maxi López (Grêmio)
Alecsandro e Nilmar (Internacional)
Keirrison (Palmeiras)
Kléber Pereira (Santos)


Próximos jogos
1/8 18h30 Sport
x
Palmeiras
1/8 18h30 Botafogo
x
Barueri
2/8 16h Corinthians
x
Avaí
2/8 16h Atlético-PR
x
Fluminense
2/8 16h Vitória
x
São Paulo
2/8 16h Flamengo
x
Náutico
2/8 18h30 Santo André
x
Goiás
2/8 18h30 Grêmio
x
Cruzeiro
2/8 18h30 Atlético-MG
x
Coritiba


Comentário da Redação
Embalados

Em um campeonato equilibrado como é o Brasileiro, qualquer time que consiga uma sequência de vitória consecutivas sobe muito na tabela e ganha uma moral incrível. É o caso das novas sensações do torneio: Avaí e Goiás.

Tudo começou na 11ª rodada, quando o time catarinense, lanterna do campeonato naquela ocasião, com 7 pontos ganhos, derrotou o alviverde, que era 9º, com 14 pontos, fora de casa, por 2 a 0.

A partir daí, o time de Silas só sabe o que é vitória na competição. São cinco vitórias consecutivas e 15 pontos somados. Com isso, o Avaí saiu da rabeira e chegou ao 8º lugar, com 22 pontos. Vale destacar o bom trabalho da diretoria do clube catarinense, que não mandou o treinador embora logo que os resultados ruins surgiram e confiaram no trabalho de Silas. Parece que está dando certo.

Já o Goiás, começou a se reerguer depois da derrota para o Avaí. O esmeraldino venceu seus últimos quatro jogos, e já aparece no G4, com 26 pontos. O time voltou a fazer bons jogos no Serra Dourada, onde vinha oscilando muito, e manteve o bom desempenho longe de Goiânia (14 pontos em 21 possíveis).

Enquanto isso, é curioso o caso de um trio poderoso do nosso futebol. Na 10ª rodada, o Flamengo era 7º, com 15 pontos, o Santos era 11º, com 13, e o São Paulo tinha 11 e era o 12º. Após cinco rodadas, o Fla segue em 7º, agora 23, o Peixe tem 20 e é o 12º, enquanto o Tricolor subiu um pouco e é o 10º, com 21. Três clubes que vivem momentos turbulentos e que não conseguem sair do lugar. Passou da hora de embalar!












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br
Siga-me no Twitter: @
ricardopilat

Futebol Europeu > Mercado de Transferências

Elano acerta transferência para o Galatasaray

O meio-de-campo brasileiro Elano acertou sua transferência para o Galatasaray, da Turquia. O clube turco pagou 8 milhões de libras (R$ 25 milhões) ao Manchester City. Clubes italianos como o Milan e a Inter de Milão estavam interessados no jogador. Contudo, o Galatasaray agiu rapidamente e fechou o negócio.

O meio-campista, de 28 anos, foi contratado pelo City em 2007 junto ao time ucraniano Shakhtar Donetsk e marcou 18 gols em 80 partidas. No entanto, ele passou a maior parte da última temporada no banco de reservas.

O Santos deve lucrar cerca de R$ 400 mil com a transferência. De acordo com o Mecanismo de Solidariedade da Fifa, o clube que contou com o atleta dos 12 aos 23 anos, tem direito a receber uma porcentagem de futuras negociações do jogador.

Kolo Touré troca Arsenal pelo Manchester City

O Manchester City confirmou nesta quarta-feira a contratação do zagueiro Kolo Touré, que estava no Arsenal, por 14 milhões de libras (aproximadamente R$ 43,5 milhões). O defensor marfinense assinou contrato por quatro temporadas com o seu novo clube.

Touré é quinto reforço de peso do City para temporada 2009/2010. Além dele, o clube acertou com Adebayor (também ex-Arsenal), Tevez, Gareth Barry e Roque Santa Cruz.

Real Madrid contrata Arbeloa do Liverpool

O Real Madrid acertou com o lateral-direito Álvaro Arbeloa, do Liverpool. O jogador, que já foi aprovado nos exames médicos feitos, foi adquirido por cerca de € 4 milhões (aproximadamente R$ 11 milhões). O valor da duração do contrato será de cinco anos.

Aos 26 anos, o lateral, que começou nas categorias de base do próprio Real Madrid, estava no Liverpool desde 2007, quando foi contratado junto ao La Coruña.

Direto da Redação


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Campeonato Brasileiro > São Paulo mantém boa fase e vence o Grêmio

* Tricolor paulista derrota o gaúcho: 2 a 1

O São Paulo segue a sua escalada no Campeonato Brasileiro. O frio da capital paulista não intimidou a equipe comandada por Ricardo Gomes, que, na sua melhor partida na competição, venceu o Grêmio por 2 a 1 e obteve o seu terceiro resultado positivo nos últimos quatro jogos. Já o Tricolor gaúcho justificou a fama de pior visitante da competição. Com o tropeço desta quarta, a equipe comandada por Paulo Autuori chegou a sexta derrota em sete jogos disputados longe do estádio Olímpico. O aproveitamento é de apenas 4,7%.

Com a vitória, o São Paulo foi aos 21 pontos na tabela do Campeonato Brasileiro e foi para o 11º lugar. O Grêmio, que tem o mesmo número de pontos, é o décimo colocado por ter uma vitória a mais.

Gomes mexe no time

Como a partida contra o Grêmio normalmente é marcada por muito contato físico, o técnico Ricardo Gomes mudou o meio-campo do São Paulo. Ele barrou o Marlos e promovou o retorno de Junior Cesar. Com isso, Jorge Wagner, que havia sido ala contra o Barueri, fez o papel de meia. André Dias, aprovado em teste no vestiário, formou o trio de beques com Renato Silva e Miranda. No Grêmio, o técnico Paulo Autuori escalou força máxima.

Quando a bola rolou, o São Paulo tomou a iniciativa da partida, mas parou na marcação gremista. E, quando o time gaúcho colocou a bola no chão, assustou. Aos 12min, Herrera fez bela jogada pela direita e cruzou para Maxi Lopez que, livre, bateu à esquerda do gol de Bosco.

Como o Grêmio valorizava ao máximo a posse de bola, o São Paulo apostava numa marcação forte para surpreender nos contra-ataques. E foi dessa maneira que o time chegou com perigo pela primeira vez. Aos 18min, Hernanes roubou a bola de Túlio no meio-campo e tocou para Dagoberto, que disparou uma bomba de fora da área. A bola raspou a trave direita de Victor.

Com as duas marcações não dando espaços, somente a individualidade é que faria a diferença. Foi aí que Hernanes apareceu. Aos 21min, ele fez lançamento primoroso para Dagoberto, que avançou nas costas da defesa gremista e, dentro da área, bateu de primeira, sem chances de defesa para o goleiro gremista. Um belo gol.

A vantagem no marcador fez muito bem ao São Paulo que, nos dez minutos seguintes ao gol, aproveitou o baque do adversário e sufocou. O segundo gol só não saiu aos 26min porque Victor fez bela defesa em cabeçada de Dagoberto, após cruzamento da direita de Hernanes.

Nos últimos dez minutos do primeiro tempo, o Grêmio conseguiu se reorganizar em campo e voltou a equilibrar a partida. O problema é que suas duas peças de criação, Tcheco e Souza, não tinham o menor espaço. Richarlyson foi o marcador pessoal do primeiro, enquanto que Hernanes não deu espaços para o segundo. No ataque, Maxi Lopez era bem marcado por Miranda e Herrera não levava perigo. O São Paulo, por sua vez, sempre que tinha a posse de bola, apostava na velocidade de Dagoberto para levar perigo.

Tricolor mata o jogo

Irritado com o desempenho da equipe, o técnico Paulo Autuori mudou o ataque no intervalo. Ele trocou Herrera por Jonas, apostando na troca rápida de passes para tentar furar o bloqueio defensivo do São Paulo.

Só que a estratégia foi por água abaixo logo no primeiro lance do segundo tempo, quando o São Paulo fez o segundo gol. Dagoberto avançou pela direita, cortou para o meio, tocou para Jorge Wagner, que devolveu na medida para o camisa 25. Como se fosse uma repetição do primeiro gol, o atacante, de primeira, bateu firme, sem chance de defesa para Victor.

O Grêmio, então, partiu para o tudo ou nada. O time gaúcho adiantou o seu meio-campo para tentar atacar. Só que, além de não levar o menor perigo, deixou o contra-ataque à disposição do São Paulo, que começou a desperdiçar várias oportunidades de gol. Aos 11min, Junior Cesar desceu pela esquerda e cruzou para a área. A defesa gremista afastou o perigo e, na sobra, Jean quase fez de fora da área.

Dois minutos depois, Dagoberto desceu pela direita e tocou para Richarlyson. O volante cortou para o meio e disparou uma bomba de pé esquerdo, no ângulo direito de Victor. A bola explodiu no travessão. Na sobra, Junior Cesar pegou pela esquerda e, de fora da área. arriscou o chute. Novamente, a bola foi no travessão de Victor.

Aos 16min, foi a vez de Borges perder grande chance. Ele recebeu assistência açucarada pelo meio, invadiu a área e, na saída de Victor, tocou no canto esquerdo do goleiro gremista. A bola raspou a trave e saiu. Do lado gremista, o técnico Paulo Autuori, sem alternativa, colocou seu time ainda mais no ataque, com a entrada do meia-atacante Douglas Costa na vaga do volante Adílson.

O time melhorou e conseguiu manter mais a posse de bola. Aos 27min, Douglas Costa arriscou de fora da área e Bosco espalmou. Cinco minutos depois, Jonas foi lançado por Souza, invadiu a área e foi derrubado por Miranda, que cometeu um pênalti infantil. Na cobrança, o capitão Tcheco mostrou categoria, botando no canto direito de Denis, que pulou para o lado esquerdo.

E o Grêmio, aos 39min, quase empatou. Após falha de André Dias, Douglas Costa invadiu a área pela esquerda e bateu cruzado. A bola desviou na zaga são-paulina e raspou a trave de Denis. Mas não deu para os gaúchos: 2 a 1 para o São Paulo


Ficha do jogo
SÃO PAULO 2 x 1 GRÊMIO
Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 30/7/2009 - 21h (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/ PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR)
Renda/público: R$ 295.745/ 13.323 pagantes
Cartões amarelos: Miranda, Jorge Wagner e Borges (SPO).
GOLS: Dagoberto aos 21'/1ºT (1-0) e a 1'/2ºT (2-0); Tcheco 34'/2ºT (2-1)

SÃO PAULO: Denis; Renato Silva, André Dias, Miranda; Jean, Hernanes (Eduardo Costa 36'/2ºT), Richarlyson, Jorge Wagner e Junior Cesar; Dagoberto (Marlos 37'/2ºT) e Borges. Técnico: Ricardo Gomes.

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes (Rafael Marques 34'/2ºT), Leo, Réver e Fábio Santos ; Adilson (Douglas Costa 16'/2ºT), Túlio, Tcheco e Souza; Herrera (Jonas/intervalo) e Maxi López. Técnico: Paulo Autuori.

Fontes: Globo.com e Lancenet!


Direto da Redação












Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br
Siga-me no Twitter: @
ricardopilat

Campeonato Brasileiro > Aos gritos de ‘Fica, Andrade’, Flamengo vence e afasta Atlético-MG da liderança

* Léo Moura, Kleberson e Everton fizeram os gols da vitória e interino recebe apoio. Galo para nos 28 pontos

No encontro dos goleadores Adriano e Diego Tardelli, o Flamengo fez bom uso dos coadjuvantes para vencer o Atlético-MG por 3 a 1, na noite desta quinta-feira, no Maracanã. Além dos cariocas, quem comemora o resultado é o Palmeiras, que termina a 15ª rodada do Campeonato Brasileiro na liderança isolada, com três pontos de vantagem sobre os mineiros.

Léo Moura, Kleberson e Everton fizeram os gols do Rubro-Negro, e Eder Luis descontou. O resultado garantiu a segunda vitória consecutiva do Fla, ambas de virada, e quebrou a sequência de três jogos sem triunfo em casa. O time pulou para os 23 pontos e está na sétima posição.

Se há oito dias a torcida pedia a a troca no comando depois do empate por 1 a 1 com o Barueri clamando "Adeus, Cuca“, agora o tom mudou. E como. Os rubro-negros estenderam uma faixa (Andrade: estamos com você) e terminaram o jogo dando apoio ao treinador interino gritando: “Fica, Andrade”. Por enquanto, a diretoria avisou que só pensará no assunto depois do jogo de domingo, contra o Náutico, novamente no Maracanã. Até lá, o pedido das arquibancadas será atendido.

Estacionado nos 28 pontos há duas partidas, o ex-líder Atlético-MG fica em segundo lugar, mas vê o pelotão encostar. Internacional (27) e Goiás (26) são os times mais próximos. A chance de reabilitação será no domingo contra o Coritiba, no Mineirão.

Em menos de três minutos, o Flamengo descobriu o preço da desatenção. Logo aos 36 segundos, Emerson foi à linha de fundo e cruzou para a área. Welton Felipe rebateu mal e Léo Moura, livre e quase dentro da pequena área, isolou. O Atlético-MG ensinou como se faz logo depois. Ronaldo Angelim e Aírton se enrolaram, Serginho roubou e passou para Eder Luis tocar no canto direito de Bruno e abrir o placar.

A vantagem inicial daria a tranquilidade aos visitantes para explorar contra-ataques. Mas a insegurança da zaga e a dificuldade para desafogar a parte defensiva permitiram a pressão adversária. Adriano saiu da área e virou garçom em duas jogadas. Na primeira, aos 20, Emerson foi bloqueado pela zaga na hora da finalização. Na segunda, aos 23, Léo Moura entrou frente a frente com Aranha, mas teve dificuldades para driblá-lo e perdeu a chance.

Aos 36 minutos veio o gol do empate. Toró fez ótima jogada pela direita e tocou para Léo Moura chutar rasteiro no canto direito e empatar. Dois minutos depois, Everton repetiu a eficiência pela esquerda e passou para Kleberson. O volante bateu rasteiro de primeira e surpreendeu Aranha.

Percebendo a liderança se afastar, o Atlético-MG iniciou a segunda etapa com duas alterações e buscando o ataque. Aos dois minutos, depois de falta lateral, Werley desviou de cabeça e mandou por cima do travessão. O Flamengo apostava nos contra-ataques e assustou. Emerson perdeu o primeiro, aos sete, depois de passe de Léo Moura. O Sheik teve nova chance aos dez, mas a bicicleta saiu sem direção.

O terceiro gol saiu aos 14. Everton roubou uma bola quase no meio-campo e passou para Adriano. O Imperador devolveu e o criador da jogada fez o terceiro. Foi o bastante para a torcida iniciar a festa no Maracanã.

Aos 34, um lance polêmico: Diego Tardelli entrou com a bola dominada na área, Willians e Everton chegaram por trás, e o atacante caiu pedindo pênalti. Leonardo Gaciba nada marcou. Três minutos depois, Tardelli deu passe de calcanhar e Eder Luis bateu forte no canto. Bruno salvou. A pressão dos visitantes permaneceu até o fim, mas nada de gol e vitória rubro-negra.

Com goleada, Avaí chega ao 5º triunfo seguido

O Avaí não sabe o que é sair de campo sem vencer há cinco jogos. O time do técnico Silas derrotou o Vitória por 4 a 0, nesta quinta-feira, na Ressacada, pela 15ª rodada do Brasileirão, e segue escalando a tabela da competição. A equipe alviceleste foi superior ao Leão baiano desde o início da partida e balançou as redes com Marquinhos e Luiz Ricardo, na primeira etapa, além de Muriqui e Caio, no segundo tempo.

Com o resultado, os catarinenses pularam para a nona colocação da tabela, com 22 pontos, enquanto o Rubro-Negro de Salvador, que perdeu a chance de voltar ao G-4, segue com 24 pontos e caiu para a sexta colocação. Avaí volta a campo domingo e enfrenta o Corinthians, no Pacaembu, às 16h. No mesmo dia e horário, o Vitória recebe o São Paulo no Barradão.

Fontes: Globo.com e Uol


Comentário da Redação
Fla deu mole, mas foi superior

O jogo começou bem corrido, com as duas equipes chegando firme na marcação e com duas oportunidades claras de gols com dois minutos de jogo. Léo Moura desperdiçou uma grande chance. Na sequencia o Atlético abriu o placar num vacilo da zaga do Flamengo.

Após o gol, o Galo continuou bem durante alguns minutos, mas depois se perdeu totalmente. O rubro-negro carioca se acertou e tomou conta do jogo. O empate só veio aos 35 minutos, mas poderia vir muito antes. Faltou pontaria em algumas jogadas e caprichar no famoso último passe em outras. O Mengão aproveitou o nervosismo do ex-líder, que ficou ainda mais perdido após sofrer gol, e marcou o gol da virada.

O Atlético começou até bem no começo do jogo, mas novamente o Flamengo foi tomando conta do jogo, marcou o terceiro gol e seguiu superior. No final do jogo um novo apagão dos donos da casa e o time mineiro teve inúmeras chances de gols.

Além disso, o Galo foi prejudicado no final. Ronaldo Angelim era o último homem e fez falta no Éder Luís e só recebeu cartão amarelo. E teve um pênalti muito claro em cima do Diego Tardelli, que até poderia modificar o jogo, porque o time mineiro estava fazendo pressão.

Depois do pênalti não marcado o time alvi-negro ainda teve chances de marcar. Éder Luís chutou no gol após receber passe de calcanhar do Tardelli e o Bruno fez grande defesa. Pedro Paulo ficou de frente para o gol e foi patético, errando o chute e depois de driblar o goleiro sem querer mandou pelo lado de fora da trave.

Apesar dos erros, a vitória do Flamengo não pode ser desvalorizada. Tirando um apagão no começo do jogo e outro no final, o Mengo foi superior ao Atlético e a vitória foi muito justa.

Destaques do jogo


FLAMENGO
Everton jogou muita bola e foi o melhor jogador em campo na minha opinião. Deu trabalho o tempo todo para o Márcio Araújo e além do gol que fez, numa jogada que ele mesmo começou, ainda deu a assistência para o gol do Kleberson.

Os dois atacantes do Flamengo também foram muito bem. O sempre raçudo Emerson incomodou demais a zaga do Atlético, com muita movimentação. E o Adriano é diferenciado. Se posiciona bem demais, faz o pivô com perfeição, e sabe a hora de sair da área para ajudar na criação. E sempre chega um jogador rubro-negro como surpresa para o Imperador lançar.

Toró é outro rubro-negro que foi muito bem. Marcou muito e deu a assistência para o Léo Moura abrir o placar. E quando o volante da camisa 21 saiu do jogo (aplaudido) a marcação ficou frouxa e o Flamengo passou sufoco.

ATLÉTICO-MG
Apesar de ter falhado no primeiro gol do Flamengo, eu gostei mais uma vez do lateral-esquerdo Thiago Feltri. Apoia muito bem e seus avanços pela esquerda é uma das principais jogadas do Galo. O Celso Roth explora bem isso, mas hoje a cobertura não foi bem feita.

O novo jogador de seleção, Diego Tardelli, também foi bem. Assim como faz o Adriano no Flamengo, ele volta para o meio-campo para criar para quem vem de trás e tem qualidade para isso. O camisa 9 ainda sofreu um pênalti que não foi marcado e deu um lindo passe de calcanhar para o Éder Luís, que obrigou o Bruno a fazer boa defesa.

Em compensação alguns jogadores atleticanos foram muito mal. O ótimo goleiro Aranha hoje não passou a mínima segurança, saiu muito mal do gol por duas vezes e pra mim os primeiro e o terceiro gol foram defensáveis. Outro que foi muito mal é o Júnior. Totalmente desligado da partida o camisa 10 e acabou saindo no intervalo.


Direto da Redação


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Na estreia de Muricy, Palmeiras bate o Fluminense e dorme na ponta da tabela

* No Palestra Itália, Diego Souza garante a vitória magra sobre os cariocas, que têm agonia e jejum prolongados na zona de rebaixamento

Com o time jogando ao seu estilo, na base da paciência o técnico Muricy Ramalho estreou no Palmeiras com vitória sobre o Fluminense na noite desta quarta-feira por 1 a 0. O Alviverde dorme na liderança do Campeonato Brasileiro, do jeito que o novo chefe, e atual tricampeão da competição, gosta. Festa no Palestra Itália, que gritou o nome do comandante e teve o apoio correspondido com braços para o alto e murros no peito.

Agora com 31 pontos, o Palmeiras espera o resultado do jogo entre Atlético-MG, seu concorrente, e Flamengo, na noite desta quinta, no Maracanã, para confirmar a liderança ao encerramento desta rodada – basta que o Galo não vença para que o Alviverde assuma a ponta de forma isolada.

Já o Fluminense, apesar do empenho na partida, segue com 11 pontos, na 19ª colocação, e mantém o clima tenso na zona de rebaixamento. O time chegou a dez rodadas sem vencer na competição.

No próximo sábado, o Palmeiras tem seu primeiro desafio fora de casa com Muricy no comando, visitando o Sport, no Recife. Já o Fluminense encara o Atlético-PR, domingo, na Arena da Baixada.

Chuva e nada de gols

O primeiro tempo entre Palmeiras e Fluminense foi movimentado. Como dono da casa, o Alviverde se arriscou primeiro, com Souza testando Fernando Henrique, mas sem levar dificuldade ao arqueiro tricolor, logo no primeiro minuto de jogo. Aos 4, os cariocas responderam com uma cabeçada de Kieza para fora.

Aos poucos, o Palmeiras foi dominando o jogo, no campo encharcado por causa da chuva, e se impondo. Em um bom lançamento de Danilo, aos 13 minutos, Cleiton Xavier teve a chance de marcar, mas seu chute procurando o ângulo esquerdo de Fernando Henrique acabou indo para fora. Dez minutos depois, Wendel lançou Obina e novamente o goleiro tricolor afastou o perigo.

Com os jogadores do Fluminense povoando bem o meio-campo, as jogadas com Diego Souza e Cleiton Xavier ficaram raras na partida. O Tricolor, por sua vez, apostou na fragilidade do lado esquerdo da defesa paulista, aproveitando para usar bastante Mariano e Conca, que se revezava no setor com Marquinho. E aos 30 minutos, uma jogada pelo lado destro dos cariocas quase fez com que o camisa 11 abrisse o marcador. Marquinho chutou forte e Marcos, meio atrapalhado, afastou para a linha de fundo.

Gol de Diego Souza e abraço no chefe

Para tentar furar o bloqueio do Fluminense, Muricy sacou o volante Souza, mal na partida, e optou por colocar um atacante de fato ao lado de Obina. Assim Ortigoza deu maior movimentação na frente palmeirense, fazendo com que o time da casa tivesse mais posse de bola.

Apesar disso, foi o Tricolor que assustou, com uma arrancada em velocidade de Kieza. Aos 11 minutos, o atacante cortou um defensor palmeirense e, de fora da área, chutou colocado, rente à trave esquerda de Marcos.

Depois do calafrio com Kieza, o Palmeiras se encontrou e abriu o marcador. Com dois homens para se preocupar em marcar, a zaga do Fluminense não viu Diego Souza receber passe preciso de Cleiton Xavier e avançar para vencer Fernando Henrique e fazer 1 a 0. Na comemoração, o jogador que usava a camisa com o número 100, em alusão ao número de jogos que alcançou contra o Corinthians, deu um forte abraço no novo chefe, Muricy Ramalho.

Seis minutos depois, Armero tramou boa jogada pela esquerda e passou para Cleiton Xavier, que ajeitou, mas viu seu chute subir demais e sair por cima do travessão de Fernando Henrique. Apesar do gol, o Fluminense não se intimidou. E em nova jogada de velocidade, outra vez nas costas do lateral-esquerdo palmeirense, Mariano cruzou e Maicon, que tinha acabado de entrar, quase empatou a partida de cabeça. Para azar dele e sorte de Marcos, a bola passou perto, mas um pouco acima do gol.

Aos 26 minutos, a jogada tricolor saiu pelo lado esquerdo. Em jogada iniciada por Marquinho, Conca deu lindo passe para Kieza, que chutou cruzado e viu a bola passar sem ser tocada por ninguém até sair pela linha de fundo.

Com o passar do tempo, o Palmeiras passou a administrar o resultado e valorizar a posse de bola. Para reforçar o sistema defensivo, e manter o estilo Muricy de ser, Obina deixou a partida, muito aplaudido, para a entrada de Marcão. Era a volta do 3-5-2 ao Alviverde, fórmula com a qual o treinador venceu as últimas três edições do Brasileiro.

Aos 41, Cleiton Xavier se livrou da marcação e acertou o pé da trave direita de Fernando Henrique. No rebote, Ortigoza mandou para fora. E o 1 a 0 foi o suficiente para brindar a estreia de Muricy e deixar a exigente torcida palmeirense contente na fria e chuvosa noite em São Paulo.

Ficha técnica
PALMEIRAS 1 x 0 FLUMINENSE
Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Edmílson, Pierre, Souza (Ortigoza) e Cleiton Xavier; Diego Souza e Obina (Marcão). Fernando Henrique; Edcarlos, Luiz Alberto e Dalton (Maurício); Mariano, Fabinho (Maicon), Wellington Monteiro, Dario Conca, Marquinho e Dieguinho (João Paulo); Kiesa.
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Diego Souza, aos 14 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Diego Souza, Danilo, Maurício Ramos, Ortigoza e Wendel (P). Marquinho, João Paulo, Edcarlos e Dieguinho (F).
Estádio: Palestra Itália. Data: 29/07/2009. Público: 16.301 pagantes. Renda: R$536.171,24. Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro. Auxiliares: Marcio Eustaquio S. Santiago (MG) e Jair Albano Felix (MG).

Fonte: Globo.com


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Marcelinho marca, mas Chicão garante empate suado do Timão contra Ramalhão

* Pé-de-Anjo faz golaço em cobrança de falta, porém, pênalti e ótimas defesas do goleiro Felipe evitam derrota do Corinthians, em Rio Preto

Sem Ronaldo e outros três titulares negociados, o “novo” Corinthians mostrou que ainda dará muito trabalho ao técnico Mano Menezes. Com uma má atuação, o Timão sofreu para empatar com o Santo André por 1 a 1, nesta quarta-feira, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, pelo Campeonato Brasileiro. Marcelinho Carioca, eterno ídolo da Fiel, marcou de falta para o Ramalhão, mas Chicão, de pênalti, empatou em lance de Souza, que completou seu sétimo jogo e agora só poderá ser negociado com clubes do exterior. Felipe, com ótimas defesas, foi o destaque do confronto.

Com o resultado, o Corinthians cai da quinta para a sexta colocação, com 24 pontos, acumulando o segundo tropeço consecutivo (perdeu o clássico para o Palmeiras, no último domingo). Já o Santo André chega ao quarto jogo sem triunfar, mas quebra a série de três derrotas seguidas. Agora, está em 13° lugar, com 18.

O Santo André volta a jogar no próximo domingo, contra o Goiás, às 18h30, no estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul. O Bruno José Daniel está fechado para reformas. O Corinthians recebe o Avaí, no mesmo dia, às 16h, no Pacaembu, em São Paulo.

Felipe e travessão salvam o Timão

Procurando novas opções no elenco após as saídas de André Santos, Cristian e Douglas, Mano Menezes surpreendeu a todos ao escalar o meia Marcinho como lateral-esquerdo. No entanto, foi pela direita que o Corinthians levou perigo pela primeira vez, aos seis minutos. Diogo cruzou à meia altura, Jorge Henrique apareceu livre na pequena área e desviou errado, para fora.

O Santo André, porém, não se abalou com o susto e passou a dominar, sobretudo pelo lado direito do ataque, com Marcelinho Carioca caindo nas costas de Marcinho. Aos dez, o goleiro Felipe começou a se destacar. Após cruzamento rasteiro, Osny perdeu grande oportunidade ao chutar e o camisa 1 alvinegro operar um milagre. No lance seguinte, Ricardo Conceição invadiu a área pela direita e bateu forte. Felipe espalmou.

Com Morais apagado e o meio-de-campo muito aberto, o Corinthians não criou grandes oportunidades. Melhor para o Ramalhão que, aos 22, quase marcou. Marcelinho cobrou falta cheia de veneno da intermediária e Felipe se esticou para mandar por cima. O Timão só respondeu aos 26, com Henrique virando e Neneca defendendo no canto esquerdo.

A zaga do Corinthians também resolveu colaborar para deixar a torcida preocupada. Mas, desta vez, a sorte ajudou. Aos 27 minutos, a melhor chance. Marcelinho bateu falta cheia de curva, a defesa do Timão falhou no corte e Antônio Flávio, sem marcação na pequena área, acertou o travessão. Nos minutos finais, o Timão acertou a ligação do meio com o ataque, contudo, sem preocupar Neneca.

Marcelinho faz de falta, mas Chicão empata

No segundo tempo, o Santo André voltou mais ofensivo com a entrada de Pablo Escobar no lugar de Gustavo Nery. Felipe, porém, continuou operando milagres. Aos sete, oito e dez minutos, em chutes de Antônio Flávio, Marcelinho Carioca e Escobar, o goleiro evitou que o Corinthians ficasse em desvantagem no placar.

O Timão só pressionou quando Dentinho e Jorge Henrique apareceram. Aos 13, o ex-atacante do Botafogo recebeu da revelação alvinegra e bateu forte. Neneca espalmou. Mas foi só. Aos 17, o Santo André voltou a dar trabalho a Felipe. Osny cabeceou na área e o goleiro segurou.

Dois minutos mais tarde, o camisa 1 nada pôde fazer diante da precisão de Marcelinho Carioca em cobranças de faltas. Da intermediária, o Pé-de-Anjo relembrou os velhos tempos de Corinthians, acertando o ângulo esquerdo e colocando a equipe da Grande São Paulo na frente no placar.

Perdendo, Mano Menezes colocou os atacantes Marcelinho, Souza e Bill para tentar pressionar. E deu certo. Souza, que chegou a sete jogos e não poderá mais ser negociado com clubes brasileiros, foi derrubado na área por Marcel, aos 28. Chicão, batedor oficial na ausência de Ronaldo, cobrou e deixou tudo igual novamente.

Animado, o Corinthians ganhou velocidade, mas sofreu um duro golpe na reação. Dentinho, que acabara de levar um cartão amarelo, comeu falta dura em Arthur e acabou expulso. Nos minutos finais, Felipe voltou a aparecer ao fazer ótima defesa em bomba de Artur. Do outro lado, Neneca também salvou o Santo André quando Marcelinho bateu cruzado.

Ficha técnica
SANTO ANDRÉ 1 x 1 CORINTHIANS
Neneca, Rômulo, Cesinha, Marcel e Arthur; Fernando, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca e Gustavo Nery (Pablo Escobar); Antônio Flávio (Rodriguinho) e Osny (Ricardo Goulart). Felipe, Diogo, Chicão, William e Marcinho (Marcelinho); Moradei, Jucilei, Morais; Jorge (Souza), Henrique (Bill) e Dentinho.
Técnico: Sandro Gaúcho. Técnico: Mano Menezes.
Gols: Marcelinho Carioca, aos 19, e Chicão, de pênalti, aos 29 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Gustavo Nery, Rômulo, Marcelinho Carioca, Arthur, Cesinha (Santo André); Dentinho (Corinthians). Cartão vermelho: Dentinho (Corinthians)
Estádio: Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP). Data: 29/07/2009. Árbitro: Cléber Welington Abade (SP). Auxiliares: Anderson Jose de Moraes Coelho (SP) e Nilson de Souza Monção (SP)

Fonte: Globo.com


Comentário da Redação
Um ponto graças ao Felipe

Mais uma vez o Corinthians se mostrou um time desorganizado e desentrosado. Não conseguia trocar cinco passes. O que é normal para um time que perdeu três jogadores importantes por transferências e não pôde contar com o Alessandro, Elias e Ronaldo. É muita perda em pouco tempo.

O Santo André se aproveitou e criou muitas chances. Moradei não dava conta de marcar e cobrir os espaços que o Marcinho deixava pela esquerda. O veterano Marcelinho tinha todo o espaço do mundo para jogar e mostrou que ainda tem muita qualidade.

Se não fosse o Felipe, o Santo André iria para o intervalo vencendo no mínimo com 2 a 0, fora a bola no travessão. O camisa 1 do Timão está numa fase excepcional, pegando tudo, e com muita sorte, o que também é importante para um goleiro.

O Ramalhão seguiu melhor na segunda etapa e o Felipe só não conseguiu evitar o golaço de falta do Marcelinho. Foi preciso tomar o gol para o Mano mexer na equipe, que melhorou bastante. Souza entrou e foi decisivo, sofrendo o pênalti e dando muito mais movimentação e opção no jogo aéreo.

Como fez a sétima partida, o Souza não poderá ser negociado com outra equipe como todos achavam que seria. Aliás, o próprio Mano falou que em nenhum momento o centroavante seria negociado. Sendo assim, pra mim é uma sacanagem não escala-lo de titular.

Não é porque ele entrou bem que falo isso. Sempre o defendi aqui e nas últimas vezes que ele entrou foi muito bem. É experiente e tem mais chances de ir bem do que o garoto Henrique. Outro que pode ser opção na posição é o Bill, que também entrou bem.

Conceitos - CORINTHIANS
Felipe - ÓTIMO: Precisa falar alguma coisa? Esse ponto conquistado é do Felipe.
Diogo - PÉSSIMO: Horrível. Não consegue acertar um cruzamento.
Chicão - BOM: Melhorou seu futebol e marcou de pênalti o gol do empate.
William - BOM: Muito tranquilo e seguro.
Marcinho - PÉSSIMO: Deu mais saída pelo lado esquerdo, mas foi muito mal.
(Marcelinho) - BOM: Muito improvisado, correu bastante e criou boas oportunidades.
Moradei - BOM: Ficou sobrecarregado, mas foi bem na marcação e corrigiu os erros do Marcinho.
Jucilei - BOM: Desta vez mais mais liberdade para avançar, foi bem novamente.
Morais - PÉSSIMO: Incrível como tem dificuldades para dar um passe curto. A bola queima em seus pés.
Jorge Henrique - BOM: Mais uma vez incomodou bastante a defesa adversária e foi do seus pés que saiu uma das melhores chances.
(Souza) - BOM: Em pouco tempo em campo conseguiu render muito mais que o Henrique. Na minha opinião, sem o Ronaldo o titular tem que ser o Souza, pelo menos a princípio.
Dentinho - REGULAR: Fez uma boa partida até, mas foi uma palhaçada dar o carrinho que ele deu já tendo cartão amarelo. Prejudicou bastante o time, que estava fazendo pressão em busca da virada.
Henrique - REGULAR: Quase marcou na estreia, mas pouco apareceu.
(Bill) - BOM: Também entrou muito bem. Pode ser uma opção bem interessante.
Téc: Mano Menezes - BOM: O Souza deveria ter entrado como titular e não o Henrique. De resto, escalou o melhor que podia. Nas substituições também mandou bem, colocando o time com praticamente quatro atacantes.

SANTO ANDRÉ
O Santo André tem um time muito bem arrumado. Os volantes Fernando e Ricardo Conceição, além do Gustavo Nery - que joga com meia, mas volta para marcar - dão toda a liberdade para o Marcelinho Carioca, e qualidade não falta para ele fazer o time jogar. O experiente camisa 7 jogou muito contra sua "segunda pele" como ele diz. Foi ao lado do Felipe o melhor em campo.

Pelo futebol que anda jogando o pé de anjo ainda tem capacidade de ir para um time grande. É um jogador diferenciado, que bate na bola e dá lançamentos como poucos. Escanteios vira um perigo imenso quando é cobrado pelo Marcelinho. Além de todas essas qualidades, o meia não tem ficado parado em campo não, pelo contrário, se movimentou em campo no jogo desta quarta-feira.

Outros dois jogadores que se destacaram no Ramalhão foram o goleiro Neneca, que fez boas defesas quando foi exigido, e o volante Ricardo Conceição, que além de marcar, deu qualidade na saída de bola.

Direto da Redação


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Nos Aflitos, Santos arranca vitória nos acréscimos

* Gol de Rodrigo Souto garante os três pontos diante do Náutico: 2 a 1

Com um gol de Rodrigo Souto nos acréscimos da segunda etapa, o Santos venceu o Náutico por 2 a 1 no Estádio dos Aflitos, em Recife, nesta quarta-feira. O Timbu jogou o segundo tempo todo com um a menos e os visitantes aproveitaram a vantagem numérica para conseguir o placar.

Com o resultado, o Peixe recupera-se da derrota em casa para o Flamengo por 2 a 1, no último domingo. A equipe agora soma 20 pontos e ocupa, momentaneamente, a 9ª colocação na tabela. Já o Náutico passará mais uma rodada segurando a lanterna da competição. O Timbu já acumula 12 partidas sem vitória e ao fim da jornada pode ficar a seis pontos do primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Domínio do Santos, mas nada de gols

O Santos dominou toda a primeira etapa. Trocando passes no meio, o Peixe envolveu o Timbu e começou a criar chances de gol desde os primeiros segundos de jogo. No entanto, não conseguiu vazar o goleiro Gledson, que salvou a equipe da casa com defesas muito importantes, no chute de Fabão, aos 5, em uma bola desviada de pé esquerdo por Paulo Henrique, aos 6, e após a tabela entre Madson e Kléber Pereira. O artilheiro tentou tirar a bola do goleiro, que acabou salvando com a perna, aos 25.

O Náutico errava passes demais nas saídas de bola e acabava encurralado. O time da casa tentou chegar em bolas esticadas, mas a defesa santista, salvo uma furada digna de várzea de Fabão, não passou sustos. O Peixe, porém, foi perdendo o ímpeto. O gramado, muito alto e pesado, desgastou demais a equipe que buscou mais o jogo.

As coisas começaram a ficar melhores para o Santos quando o zagueiro Gladstone, aos 45 minutos, cometeu em Pará, fora do lance de jogo e, como já tinha o amarelo, acabou expulso.

Souto decide o jogo

Com um jogador a mais, o Santos voltou do intervalo com Felipe Azevedo, um meia mais avançado, no lugar de Paulo Henrique, apagado na primeira etapa. Em seguida, Neymar entrou no lugar de Robson. O Peixe passou a pressionar muito o Timbu, mas seguia errando o alvo. Aos 18, Kléber Pereira livrou-se do zagueiro e, na entrada da pequena área, chutou de bico e mandou por cima.

A chance perdida por seu artilheiro não desanimou o Peixe. O time seguia se lançando ao ataque - e até dando algum espaço para o Náutico contra-atacar, mas sem muito sucesso. Aos 22, o Alvinegro Praiano acabou premiado pela pressão. Madson entrou pela esquerda e cruzou à meia altura para Neymar mergulhar e fazer de cabeça.

Com a desvantagem no placar, o técnico Geninho resolveu ir para o tudo ou nada. Tirou o volante Dudu Araxá e colocou o atacante Acosta. Ignorando os berros do técnico Vanderlei Luxemburgo, que da beira do campo pedia para o time tocar a bola e deixar o tiem passar, o Peixe passo a perder demais a bola no meio-de-campo, dando chances para o Náutico chegar. E o Timbu chegou de vez aos 32. Gilmar foi lançado na área. A zaga santista parou pedindo impedimento, mas Pará dava condição. O atacante dominou e acabou derrubado por Felipe. Pênalti que o próprio Felipe bateu com estilo e empatou.

O ritmo do jogo se tornou alucinante. Os times, escancarados, passaram a se atacar perigosamente. Aos 35, Kléber Pereira perdeu outra grande chance. Neymar cruzou em sua cabeça. Dentro da pequena área, o camisa 9 conseguiu errar o alvo.

A pressão santista tornou-se ainda mais intensa. A bola para a área do Náutico por todos os lados, mas a zaga pernambucana conseguia levar a melhor sobre os atacantes alvinegros. Até que, aos 47, em cobrança de escanteio de Neymar, Rodrigo Souto disputou com Asprilla e garantiu a suada vitória.

Ficha do jogo
NÁUTICO 1 X 2 SANTOS

Estádio: Aflitos, Recife (PE)
Data/hora: 29/7/2009 - 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Alexandre de Rocha Matos (BA) e Belmiro da Silva (BA).
Renda/público: R$ 40.610,00/ 13.511 pagantes
Cartões amarelos: Carlinhos Bala (NAU); Germano, Rodrigo Souto, Felipe Azevedo, Luizinho e Felipe (SAN)
Cartão vermelho: Gladstone, 45'/1ºT (NAU);
GOLS: Neymar, 22'/2ºT (0-1); Gilmar, 31'/2ºT (1-1) e Rodrigo Souto, 47'/2ºT (1-2)

NÁUTICO: Glédson; Nilson, Gladstone e Vagner; Galiardo, Johnny (Dudu Araxá, 27'/1ºT e depois Acosta, 26'/2ºT), Derley, Aílton (Asprilla, intervalo) e Anderson Santana; Carlinhos Bala e Gilmar.
Técnico: Geninho.

SANTOS: Felipe; Pará, Fabão, Eli Sabiá, Léo (Luizinho, 15'/2ºT); Rodrigo Souto, Germano, Robson (Neymar, 12'/2ºT), Paulo Henrique (Felipe Azevedo, intervalo) e Madson; Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.


Comentário da Redação
Pouco a comemorar

O Santos foi lutador, guerreiro e, no fim do jogo, achou o gol da vitória diante do Náutico. Três pontos muito importantes. E nada mais a se exaltar e muito a ser corrigido.

Para começar, um time que faz 1 a 0, fora de casa, contra o lanterna do campeonato, e ainda com um jogador a mais, não pode vacilar da forma que fez o Peixe. O time cedeu mais uma vez o empate de forma bisonha. E olha o Náutico fez uma força danada para não fazer gol nenhum, mas a vontade da defesa santista de levar bola nas redes é sempre maior.

No ataque, um show de finalizações erradas. Kléber Pereira voltou da mesma forma que estava quando se lesionou: perdendo muitos gols. Somente a genialidade do menino Neymar, que mais uma vez entrou bem no jogo, conseguiu fazer a diferença em um jogo tão fácil para o Santos. Parece que quanto mais fácil, mais o Peixe complica.

Luxemburgo precisa urgentemente calibrar os pés dos santistas, além de resolver de vez os problemas defensivos e definir, de uma vez por todas, o esquema tático. Toda rodada o time muda.

O que não muda são as semelhanças entre os jogos. Coincidência ou não, em três jogos de Luxa nessa volta ao Santos, foram marcados três gols entre 20 e 30 minutos do segundo tempo, todos anotados por reservas. O gol de Souto foi o primeiro a fugir dessa rotina.

Ganhar do Náutico, nas condições citadas no primeiro parágrafo, não foi mais do que a obrigação. Sendo um pouco menos ranzinza, a vitória veio em boa hora, já que o time terá uma semana de descanso.

Conceitos - SANTOS

Felipe - PÉSSIMO: Participou apenas uma vez do jogo, fazendo um pênalti lamentável.
Pará - REGULAR: Não dá para confiar muito nele. Melhorou jogando na esquerda, mas nada que mereça elogios.
Fabão - REGULAR: Estava bem atrapalhado na retaguarda. Ainda assustou em chutes de longe.
Eli Sabiá - BOM: Para uma estreia, até que foi bem. Tem que corrigir seus defeitos de posicionamento.
Léo - REGULAR: O Léo é idolatrado pela torcida santista, mas sejamos francos: parece que o lateral começa a arrastar a língua com 20 minutos de jogo.
(Luizinho) - REGULAR: Seu esforço é comovente, mas é incrível a capacidade do Luizinho em irritar o espectador.
Rodrigo Souto - ÓTIMO: Além de fechar as portas no meio-campo, ainda foi ao ataque e deu a vitória ao Santos.
Germano - BOM: Se esforçou muito. Errrou alguns passes bobos, mas valeu pela correria.
Robson - REGULAR: Ciscou demais.
(Neymar) - ÓTIMO: Entrou e mudou a cara do jogo mais uma vez. Marcou um gol e deu assistência para outro. É até normal que ele passe por um período de oscilação, mas é evidente que o moleque é diferenciado. Merece nova chance como titular.
Paulo Henrique - PÉSSIMO: Estava no mundo da lua. Sofreu desarmes ridículos.
(Felipe Azevedo) - PÉSSIMO: Prende demais a bola, é muito atrapalhado.
Madson - BOM: Foi discreto na primeira etapa, mas ajudou muito no segundo tempo. Corre os 90 minutos inteiros.
Kléber Pereira - PÉSSIMO: Perdeu novamente uma infinidade de gols. Ruim com ele, pior sem ele.
Téc: Vanderlei Luxemburgo -REGULAR: Passou da hora de definir um esquema tático para esse time. Ficar mudando todo jogo confunde todo mundo. Luxa terá uma semana para trabalhar nisso e calibrar o pé do ataque santista.


NÁUTICO

Para não dizer que o Náutico não teve nada a ser destacado, cito aqui o Gilmar, que está longe de ser um bom jogador, mas hoje foi esforçado, cavou pênalti e ainda converteu. O goleiro Glédson também fez boas defesas, muito mais pela falta de pontaria do Santos, entretanto. A defesa do Timbu é muito pesada, o meio-campo não marca ninguém e o ataque é bem desorganizado... Geninho entrou em uma fria.


Direto da Redação










Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br
Siga-me no Twitter: @
ricardopilat

Campeonato Brasileiro > Internacional marca no final e vence o Barueri por 3 a 2

* Colorado abre 2 a 0 no primeiro tempo, sofre o empate, mas garante triunfo em casa: 3 a 2

Um Internacional de muitos altos e baixos superou as dificuldades e venceu o Barueri por 3 a 2, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro. Alecsandro e Andrezinho fizeram 2 a 0 para os donos da casa, que viram Sandro (gol contra) e André Luís empatarem. Entretanto, aos 41 minutos do segundo tempo, Sorondo aproveitou rebote na área e garantiu mais três pontos para o time gaúcho.

A vitória leva o Colorado para 27 pontos, e o time vai dormir na terceira colocação, já que o Vitória, que tem 26, joga somente nesta quinta. O Barueri permenece em sétimo, com 22. Na próxima rodada, o Inter, que encararia o Santos, folga - o jogo será no dia 26/08. Já o time paulista vai visitar o Botafogo.

Um gol no início amenizou o clima de desconfiança da torcida colorada. Aos cinco minutos, Andrezinho fez jogada pela esquerda, chegou à linha de fundo e cruzou na segunda trave. O goleiro Renê saiu mal, e Alecsandro completou para o gol.

Aos 26 de jogo, falta na meia-lua para o Inter. Andrezinho foi para a cobrança e colocou com precisão no canto esquerdo de Renê para fazer 2 a 0. Já nos acréscimos, os paulistas conseguiram diminuir. Márcio Careca bateu falta da meia esquerda, Michel Alves espalmou, mas Sandro acabou colocando para dentro, marcando gol contra depois de uma grande confusão na área colorada.

Apesar de aos 10 minutos o Andrezinho ter mandado na trave uma cobrança de falta, o Barueri conseguiu o empate, com o zagueiro André Luís, que pegou rebote após uma defesa do goleiro Michel Alves. Mas aos 40, Andrezinho cobrou falta no travessão, Sorondo pegou o rebote e fez o gol da vitória suada do Colorado.

Kléber decide no fim e Cruzeiro vence

O Cruzeiro se recuperou do mau retrospecto recente no Mineirão, mas foi sofrido. Venceu o Sport por 1 a 0 nesta quarta-feira com um gol de Kléber aos 45 minutos do segundo tempo. O time, que vinha de três derrotas no estádio (para Corinthians, Estudiantes e Atlético-MG), pulou para a 14ª colocação do Brasileiro, com 17 pontos.

Os donos da casa estiveram com um jogador a menos em boa parte do confronto, já que Diego Renan recebeu o cartão vermelho aos 32 minutos da etapa inicial. Foi a sétima expulsão do time em 14 rodadas.

O Sport, que teve o interino Levi Gomes no comando, após a demissão de Emerson Leão, completou cinco partidas sem vitória. Segue na zona de rebaixamento, com 13 pontos, em 17º lugar.

Na próxima rodada, Cruzeiro e Sport voltam a encontrar adversários da última Libertadores. Os mineiros, que comemoraram no Olímpico a vaga para a decisão continental, voltam ao estádio para encarar o Grêmio, às 19h30m de domingo. No dia anterior, às 18h30m, o Sport recebe o algoz Palmeiras na Ilha do Retiro, palco da eliminação nas oitavas-de-final.

Coxa marca no fim e empata com o Bota

Em um jogo emocionante, Coritiba e Botafogo empataram por 2 a 2, nesta quarta-feira, no Couto Pereira, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Alvinegro carioca chegou a estar na frente do placar por duas vezes, mas cedeu o empate nos últimos minutos.

Depois de abrir o placar no primeiro tempo, com Victor Simões, o time carioca cedeu o empate no início do segundo tempo, mas voltou a ficar à frente, aos 39 minutos finais, com Renato. O jogo parecia decidido, mas Marcos Aurélio voltou empatar a partida, aos 44 minutos.

O resultado, porém, foi ruim para ambos os times, que continuam na parte de baixo da tabela, ameaçados pela zona de rebaixamento. Coritiba e Botafogo estão com o mesmo número de pontos. O Coxa segue, por enquanto, em 14° lugar, com 16 pontos. O Bota vem uma posição abaixo, com a mesma pontuação.

Goiás vence e Atlético-PR fica sem técnico

Sem dificuldades, o Goiás venceu o Atlético-PR por 3 a 0, na noite desta quarta-feira, no Serra Dourada, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Enquanto os esmeraldinos comemoram a entrada ao menos provisória no G-4, os rubro-negros se veem em situação preocupante na tabela da competição.

Além da situação ruim, o Furacão terá de procurar um novo técnico. Waldemar Lemos anunciou sua saída após a derrota desta quarta-feira. Emerson Leão é o mais cotado para substitui-lo.

Os dois times voltam a campo no domingo. Os paranaenses recebem o Fluminense, às 16h, na Arena da Baixada, e os goianos visitam o Santo André, às 18h30m, no estádio Bruno José Daniel, no ABC Paulista.

Fontes: Globo.com e Uol


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Campeonato Brasileiro > Agora no Palmeiras, Muricy Ramalho reencontra o Fluminense, antigo algoz

* Treinador busca boa estreia contra time de Renato Gaúcho, que o eliminou da Libertadores com o São Paulo

A primeira partida de Muricy Ramalho no comando do Palmeiras será contra um velho conhecido. Às 21h50m desta quarta-feira, no Palestra Itália, ele estreará pela equipe paulistana contra o Fluminense de Renato Gaúcho, mesmo técnico e time que o eliminaram com o São Paulo da Taça Libertadores do ano passado.

O duelo entre Muricy e Fluminense, no entanto, tem um cenário diferente do último, pelo torneio continental. Na ocasião em que ele era comandante do São Paulo, as equipes disputavam uma vaga às semifinais da competição em pé de igualdade. Já no confronto do Brasileiro, o novo treinador do Palmeiras tem uma situação bem confortável, pois dirige o time que ocupa a vice-liderança do Nacional, com os mesmos 28 pontos do Atlético-MG, mas com desvantagem nos gols marcados (27 a 26). Caso os mineiros tropecem diante do Flamengo, no Maracanã, os paulistas podem assumir a ponta isolados dos rivais.

Enquanto isso nas Laranjeiras, Renato Gaúcho, que voltou recentemente ao comando do time carioca, tenta livrar o Tricolor da zona do rebaixamento. Na 19ª posição com somente 11 pontos, ele pode deixar a equipe fora da degola ao final desta rodada, caso vença o Palmeiras fora de casa e Sport e Atlético-PR percam para seus adversários.

Escalação sem novidades

Na chegada ao Palmeiras, Muricy resolveu adotar o mesmo esquema utilizado por Jorginho na vitória sobre o Corinthians por 3 a 0, na última rodada. Vendo que o estilo de jogo funcionou bem diante do arquirrival, ele resolveu manter Edmílson, Souza e Pierre como volantes na equipe.

Na frente, também como na partida contra o Timão, Diego Souza formará a dupla de ataque com Obina, prestigiado no time depois dos três gols no clássico.

- Não vou mudar, mesmo porque não tenho de mudar o que está dando certo. A gente acerta alguns detalhes, como no jogo com o Corinthians, que tinha o lado direito mais forte e conseguimos dar mais atenção. Tem de ficar ligado nisso. Hoje acabei chegando mais cedo e vi o jogo todo do Fluminense com o Cruzeiro (1 a 1). A posse de bola não vai mudar, porque tem de agredir jogando em casa – disse Muricy.

Apesar dos problemas, Flu mantém a confiança

Nove rodadas sem vencer, penúltima posição e quatro desfalques. A fase do Fluminense não é nada boa, e Renato Gaúcho aposta na superação para conquistar diante do vice-líder, fora de casa, a primeira vitória no retorno ao clube. Satisfeito com o desempenho da equipe na derrota para o Atlético-MG e no empate com o Cruzeiro, o treinador mostrou resignação com as dificuldades, mas procurou manter a confiança.

- A superação acontece desde o momento em que eu cheguei. São vários problemas, sem tempo para trabalhar, e tem que ser assim. No pouco tempo que temos, estamos procurando aperfeiçoar o esquema de jogo. O time tem jogado bem, criado oportunidades e temos que matar os jogos quando elas aparecerem. É pouco tempo para trabalhar e muita dificuldade. O Palmeiras é líder do campeonato, estreia um grande treinador, vai estar com o estádio lotado...

Se vencer é fundamental para mudar a situação na tabela, os tricolores não escondem a preocupação defensiva. Fernando Henrique chama a atenção para os pontos fortes do Verdão.

- O meio-campo do Palmeiras sai bastante para o ataque, temos que estar atentos ao Obina, mas vamos com tranquilidade para conquistarmos a vitória.

Sem Leandro Amaral, Fred e Diguinho, lesionados desde a última rodada, Renato perdeu também Ruy, suspenso, para o duelo na capital paulista e deve promover a entrada de Mariano na ala-direita. Para segurar o Palmeiras, o treinador aposta na manutenção do esquema 3-6-1, com o jovem Dalton na zaga e Kieza isolado no ataque.

Ficha técnica
Estádio: Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data/hora: 29/7/2009 - 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Auxiliares: Marcio Eustaquio S. Santiago (Fifa-MG) e Jair Albano Felix (MG)

PALMEIRAS: Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre, Edmilson, Souza e Cleiton Xavier; Diego Souza e Obina.
Técnico: Muricy Ramalho.

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Edcarlos, Luiz Alberto e Dalton; Mariano (Maicon), Fabinho, Wellington Monteiro, Marquinho, Conca e João Paulo (Dieguinho); Kieza.
Técnico: Renato Gaúcho.

Fontes: Globo.com e Lancenet!


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Após perder clássico, Corinthians busca reação contra o Santo André

* Na era Mano Menezes, o Timão ainda não conseguiu derrotar o Ramalhão. Sem Ronaldo, equipe tenta reabilitação no Brasileiro

O Corinthians enfrentou alguns de seus principais adversários para conquistar os títulos do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil. Mas se quiser reagir no Brasileirão, depois da derrota por 3 a 0 para o arquirrival Palmeiras, terá de superar uma verdadeira pedra no sapato na era Mano Menezes. Nesta quarta-feira, às 21h50m, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, o Timão enfrenta o Santo André, clube que ainda não venceu desde a chegada do técnico gaúcho.

Na Série B do ano passado, as equipes se enfrentaram duas vezes, com dois empates: 1 a 1, no ABC, e 2 a 2, no Pacaembu. Já no Estadual de 2009, uma nova igualdade, desta vez sem gols. Mesmo assim, o clube da capital paulista conquistou o título de ambas as competições - os times nunca se encontraram na elite do futebol nacional.

- O Santo André é um time que sempre nos trouxe dificuldades e está no meio da tabela. Será um jogo complicado, como todos que nós fazemos contra eles – afirmou Mano Menezes.

Agora, no entanto, o Corinthians conta com o mau momento vivido pelo time do ABC Paulista, que perdeu os últimos três jogos e despencou para a 13ª colocação, com 17 pontos, apenas quatro acima da zona do rebaixamento. De quebra, o técnico Sérgio Guedes foi demitido após a derrota por 3 a 2 para o Grêmio. Sandro Gaúcho, herói da conquista da Copa do Brasil em 2004, assume interinamente.

O Timão também tenta reagir, mas sem Ronaldo, que quebrou a mão esquerda no clássico contra o Alviverde. Apesar da temporada perfeita, a torcida acendeu o sinal amarelo de desconfiança com o tropeço no fim de semana. Além do resultado, a diretoria negociou os titulares André Santos, Douglas e Cristian e iniciou o tão temido desmanche. Na classificação, porém, continua em alta, aparecendo em quinto lugar, com 23 pontos, cinco a menos do líder Atlético-MG.

- Quando você tem os resultados, consegue ter mais tranquilidade para trabalhar. Espero que neste momento de reformulação nós consigamos sofrer o mínimo possível – disse o capitão William.

Henrique ganha a vaga de Ronaldo

Sandro Gaúcho tem apenas uma dúvida para escalar o Santo André. O centroavante Nunes foi expulso contra o Grêmio e cumpre suspensão automática. O boliviano Pablo Escobar e Osny brigam pela vaga. O atacante Luis Mário, ex-Timão, foi contratado esta semana e aguarda a regularização da documentação para poder estrear.

No Corinthians, Mano Menezes escolheu Henrique para substituir Ronaldo, que será operado nesta quarta-feira pela fratura na mão esquerda. Será o primeiro jogo dele como titular. O atacante Jorge Henrique foi poupado do treinamento de terça-feira, no CT do Parque Ecológico do Tietê, por conta de uma forte gripe, mas tem grandes chances de jogar.

O lateral-direito Alessandro foi expulso diante do Verdão. Assim, Diogo será mantido na posição. Já no meio-campo, Elias recebeu o terceiro cartão amarelo e é outro que cumpre suspensão. Moradei ganha nova chance, ao lado de Jucilei. Na armação, Mano escalou Morais na vaga de Douglas, negociado com o Al Wasl, dos Emirados Árabes Unidos.

Ficha técnica
Estádio: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP)
Data/hora: 29/7/2009 - 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP)
Auxiliares: Nílson de Souza Monção e Anderson José de Moraes Coelho (ambos de SP)

SANTO ANDRÉ: Neneca, Cicinho, Cesinha, Marcel e Gustavo Nery; Fernando, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca; Antônio Flávio e Elvis; Pablo Escobar.
Técnico: Sandro Gaúcho (interino).

CORINTHIANS: Felipe; Diogo, Chicão, William e Diego; Moradei, Jucilei e Morais; Jorge Henrique (Dodô), Henrique e Dentinho.
Técnico: Mano Menezes.

Fontes: Globo.com e Lancenet!


Redator: Pedro Silas
pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Náutico e Santos jogam em busca de recuperação

* Duelo marca o confronto das piores defesas do Brasileirão

Sem conseguir engrenar no Brasileirão, o Santos enfrenta o Náutico, nesta quarta-feira, às 19h30m (horário de Brasília), no estádio dos Aflitos, no Recife, tentando se recompor após a derrota em casa para o Flamengo, domingo passado. Já o Timbu, lanterna da competição, vem de empate no clássico contra o Sport. Será o duelo das piores defesas da competição.

O Peixe, 12º colocado, com 17 pontos, sofreu 28 gols em 14 rodadas. Em média, a equipe alvinegra sofre dois gols por jogo. Já o Náutico, 20º, com 11 pontos, levou 31 gols (média de 2,21 gols por partida)

Kléber Pereira de volta

No Recife desde a última segunda-feira, o Santos tem dois desfalques certos: o zagueiro Domingos, machucado, e o volante Roberto Brum, suspenso. No treinamento coletivo realizado nesta terça-feira, no Recife, o técnico Vanderlei Luxemubrgo esboçou um Peixe com várias mudanças. A maior novidade foi a escalação do atacante Kléber Pereira, que não participou dos três últimos jogos por causa de lesão. Ele participou normalmente do treino e deverá ter sua escalação confirmada.

Na vaga de Domingos, Eli Sabiá e não Astorga, como era esperado. Já na vaga de Brum, entra Rodrigo Mancha. Tanto Mancha quanto Sabiá podem fazer suas estreias pelo Peixe. O goleiro Fábio Costa, machucado, segue afastado. Felipe continua defendendo o gol santista. Na lateral-direita, mais uma novidade: Wagner Diniz volta a ter chance entre os titulares.

Treinamento contra bolas paradas

As falhas recorrentes do sistema defensivo já tiram o sono do técnico Geninho. Por isso, o treinador focou os trabalhos após o empate por 3 a 3 com o Sport no último domingo, nas bolas paradas. Não à toa, os três gols do rival saíram de cruzamentos. O Timbu contará com o retorno dos titulares Asprilla e Gladstone no setor para melhorar a média de gols sofridos. A tendência é que o jovem Nilson e o volante Dudu Araxá voltem para o banco.

O zagueiro Cláudio Luiz e o lateral Michel, recém-contratados, ainda esperam a regularização para atuar. Se constar o nome de ambos no BID da CBF até o fim do expediente desta quarta-feira se encerrar, ficam à disposição. Além de lanterna do Campeonato Brasileiro, o Náutico ocupa posição na zona de rebaixamento desde a oitava rodada.

Ficha do jogo
NÁUTICO X SANTOS

Estádio: Eládio de Barros Carvalho, Recife (PE)
Data/hora: 29/7/2009 - 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Alexandre de Rocha Matos (BA) e Belmiro da Silva (BA).

NÁUTICO: Gledson; Asprilla, Gladstone e Vagner; Dudu Araxá, Galiardo, Johnny, Derley e Ailton; Carlinhos Bala e Gilmar.
Técnico: Geninho.

SANTOS: Felipe; Wagner Diniz, Fabão, Eli Sabiá, Léo; Rodrigo Mancha, Rodrigo Souto, Germano, Paulo Henrique e Madson; Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Fontes: Globo.com e Lancenet!


Direto da Redação













Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br
Siga-me no Twitter: @
ricardopilat