Mudou!

O Redação do Esporte mudou de hospedagem! Acesse nosso conteúdo atualizado em: www.redacaoesporte.com.br

sábado, 31 de julho de 2010

Campeonato Brasileiro > São Paulo vence o Ceará e encerra sequência negativa

* Fernandão e Ricardo Oliveira marcaram no Morumbi: 2 a 1

Após cinco jogos sem vitória, o São Paulo voltou a sentir o sabor de um resultado positivo neste sábado, no Morumbi. Pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Tricolor derrotou o Ceará por 2 a 1.

Com mais três pontos na tabela, o São Paulo chega aos 15 e agora ocupa a nona colocação. O Ceará estaciona na terceira posição, com 20 unidades.

Depois de um primeiro tempo sem gols, o São Paulo foi às redes aos 20 minutos da etapa final. Hernanes cobrou escanteio e Fernandão subiu bem para abrir o placar. Dois minutos depois, Dagoberto lançou para Ricardo Oliveira, que marcou pela primeira vez no retorno ao clube do Morumbi: 2 a 0.

Erick Flores, aos 39 do segundo tempo, acertou um belo chute e diminuiu para o Vôzão. Mas ficou assim, 2 a 1.

Ficha do jogo
SÃO PAULO 2X1 CEARÁ

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 31/7/2010 - 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Bruno Boschilla (PR)
Renda/público: R$ 242.050,50 / 11.793 pagantes
Cartões amarelos: Miranda (SAO); Geraldo, João Marcos (CEA)
GOLS: Fernandão, 20'/2ºT (1-0); Ricardo Oliveira, 22'/2ºT (2-0); Erik Flores, 39'/2ºT (2-1).

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Alex Silva, Xandão (Fernandão, Intervalo), Miranda e Junior César; Jean, Cleber Santana, Hernanes e Marlos; Fernandinho (Dagoberto, 17'/2ºT) e Ricardo Oliveira (Casemiro, 28'/2ºT). Técnico: Ricardo Gomes.

CEARÁ: Diego, Oziel, Fabricio, Anderson e Hernandes; Heleno (Ailton, 35'/2ºT), Careca, João Marcos (Erik Flores, 24'/2ºT) e Geraldo (Tony, 20'/2ºT); Misael e Washington. Técnico: Estevam Soares.

Direto da Redação









Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Com dois de Washington, Flu vence e vira líder

* Tricolor bate Atlético-PR por 3 a 1 e torce contra o Corinthians para seguir na ponta

De volta ao Fluminense após um ano e meio, Washington teve uma reestreia dos sonhos na noite deste sábado, no Maracanã. Com dois gols e uma assistência, o Coração Valente foi fundamental na vitória do Tricolor por 3 a 1 sobre o Atlético-PR. Com o resultado, o time carioca vai dormir na liderança e secar o Corinthians, que enfrenta o Palmeiras neste domingo no Pacaembu.

Mesmo jogando em casa, o Fluminense foi dominado pelo Atlético-PR nos minutos iniciais. Aos 21 minutos, porém, a estrela de Washington começou a brilhar. Em cruzamento de Conca, o artilheiro tocou de primeira para o fundo das redes. O gol trouxe um pouco de calma ao Tricolor, que aos 9 da etapa final, ampliou com Emerson, após passe do Coração Valente.

O Fluminense passou a ser dono da partida, e chegou ao terceiro gol. Aos 24 minutos, após grande jogada individual de Darío Conca, que também fez ótima partida, Washington anotou o seu segundo. Com a vitória sacramentada, os cariocas deram uma relaxada, e Bruno Mineiro diminuiu para o Furacão. E foi só: 3 a 1 Tricolor.

Atlético-GO empata em casa com Guarani

Lanterna do Campeonato Brasileiro, o Atlético-GO teve, em casa, boa chance de ganhar fôlego na luta para sair das últimas posições. No entanto, a equipe goiana não passou de um empate em 1 a 1 com o Guarani, na noite deste sábado, em Goiânia. O Rubro-negro agora soma nove pontos, ainda na 20ª colocação. O Bugre, com 15, e dorme na décima posição.

Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br

F1 > Vettel domina e faz pole na Hungria

* RBR faz mais uma dobradinha; Ferrari aparece na segunda fila

Pela sétima vez na atual temporada da Fórmula 1, o alemão Sebastian Vettel larga na pole position de um Grande Prêmio. Neste sábado, na Hungria, o piloto da RBR cravou 1min18s773 e deixou para trás o companheiro, Mark Webber, que larga na segunda colocação.

A segunda fila terá os dois pilotos da Ferrari: Fernando Alonso, terceiro lugar, e Felipe Massa, quarto. O brasileiro voltou a Hungaroring após o grave acidente da temporada passada, quando uma mola do carro de Rubens Barrichelo se soltou e atingiu o capacete do ferrarista.

A largada do GP da Hungria acontece neste domingo, às 9h (horário de Brasília).

GP da Hungria - Grid de Largada
1. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault): 1min18s773
2. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault): 1min19s184
3. Fernando Alonso (ESP/Ferrari): 1min19s987
4. Felipe Massa (BRA/Ferrari): 1min20s331
5. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes): 1min20s499
6. Nico Rosberg (ALE/Mercedes GP): 1min21s082
7. Vitaly Petrov (RUS/Renault): 1min21s229
8. Robert Kubica (POL/Renault): 1min21s328
9. Pedro de la Rosa (ESP/BMW Sauber-Ferrari): 1min21s411
10. Nico Hulkenberg (ALE/Williams-Cosworth): 1min21s710
11. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes): 1min21s292
12. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth): 1min21s331
13. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes): 1min21s517
14. Michael Schumacher (ALE/Mercedes GP): 1min21s630
15. Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari): 1min21s897
16. Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India-Mercedes): 1min21s927
17. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari): 1min21s998
18. Timo Glock (ALE/Virgin-Cosworth): 1min24s050
19. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Cosworth): 1min24s120
20. Jarno Trulli (ITA/Lotus-Cosworth): 1min24s199
21. Bruno Senna (BRA/Hispania-Cosworth): 1min26s391
22.Lucas di Grassi (BRA/Virgin-Cosworth): 1min25s118
23. Kamui Kobayashi* (JAP/BMW Sauber-Ferrari): 1min22s222
24. Sakon Yamamoto (JAP/Hispania-Cosworth): 1min26s453

*O piloto japonês Kamui Kobayashi foi punido por não pesar seu carro após o treino classificatório e caiu da 18ª posição para a 23ª.

Direto da Redação









Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Copa Libertadores > Inter fura retranca do São Paulo: 1 a 0

* Colorado garante triunfo com gol de Giulliano, e pode até perder no Morumbi

Foi preciso um jogador sair do banco aos 20 minutos do segundo tempo para o Internacional conseguir superar a melhor retranca da Copa Libertadores. Na noite desta quarta-feira, em um Beira-Rio lotado, o suplente Giuliano entrou e marcou o gol da vitória da equipe colorada sobre um retranqueiro São Paulo por 1 a 0, no primeiro duelo pelas semifinais da Copa Libertadores.

Na etapa inicial, praticamente só um time jogou. Os donos da casa tiveram total domínio sobre o adversário, porém com dificuldade para superar a retranca armada por Ricardo Gomes. Rogério Ceni apareceu em momentos oportunos e defendeu com segurança finalizações de Alecsandro e Taison.

O cenário do confronto pouco se alterou no começo do segundo tempo. A equipe gaúcha manteve a pressão e o São Paulo continuou atrás. Aos 20 minutos, Celso Roth apostou em Giuliano e foi feliz. Dois minutos depois, a bola sobrou para o meia, que chutou no canto de Rogério Ceni para abrir o placar.

Após o gol, Ricardo Gomes resolveu colocar Cleber Santana, Ricardo Oliveira, Fernandinho. Até passou a atacar. Mas em vão. A vitória já era colorada: 1 a 0.

Ficha do jogo
INTERNACIONAL X SÃO PAULO

Estádio: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 28/07/2010 - 21h50
Árbitro: Hector Baldassi (Argentina)
Auxiliares: Ricardo Casas e Hector Maidana, ambos da Argentina.
Cartões amarelos: Não houve
Gols: Giuliano, 22'/2ºT

INTERNACIONAL: (4-2-3-1) - Renan; Nei, Bolívar, Índio e Kléber; Sandro, Guiñazu, Andrezinho (Giulliano), D'Alessandro e Taison (Rafael Sóbis); Alecsandro. Técnico: Celso Roth.

SÃO PAULO: (3-5-2) - Rogério Ceni; Miranda, Alex Silva e Richarlyson (Cléber Santana); Jean, Rodrigo Souto, Hernanes, Marlos (Fernandinho) e Junior Cesar; Dagoberto (Ricardo Oliveira) e Fernandão. Técnico: Ricardo Gomes.


Comentário da Redação
Ganhou o time que quis jogar

O Internacional dominou a partida quase que de ponta a ponta e poderia até ter saído com um 2 a 0, que o deixaria numa condição fantástica para decidir no Morumbi. Porém, a vitória por 1 a 0 nesses torneios que o gol fora é critério de desempate, é um resultado muito bom.

Para o técnico e jogadores são-paulinos, pelo que mostraram no jogo, o resultado também deve ser satisfatório, pois foram ao Beira-Rio com uma postura bastante covarde, de time pequeno. Simplesmente limitaram-se a se defender, e pior, não conseguiram em momento algum explorar os contra-ataques.

Méritos também para os donos da casa, que souberam dominar muito bem o jogo. No primeiro tempo, chegaram a ter quase 70% de posse de bola, e não ficaram apenas trocando passes na intermediária, iam em direção ao gol, tentando criar oportunidades. E mesmo tendo dificuldades contra a forte retranca do oponente, não ficaram nervoso.

Na etapa final, o time gaúcho seguiu seguro e absoluto no jogo e, como era natural, mais incisivo. Antes dos 20 minutos, Celso Roth enxergou muito bem o jogo e tirou Andrezinho para a entrada de Giulliano, que marcaria o gol logo em seguida. Depois de abrir o placar, eu esperava mais do Inter. O time até tentou dar uma pressionada, mas depois recuou.

O fato é que os colorados ficaram felizes com o placar de 1 a 0. O que pra mim é sinal que eles virão ao Morumbi para jogar bola. E como acredito que o São Paulo não conseguirá jogar bola de uma hora para outra, aposto em outra vitória dos gaúchos.

Conceitos

INTERNACIONAL
Renan - REGULAR: Pouco exigido, quase se complicou ao sair jogando mal.
Nei - REGULAR: Esforçado na marcação, foi boa opção ofensiva pela direita em alguns momentos. Porém, cometeu erros que podem comprometer muito.
Bolívar - BOM: Com bom tempo de bola, foi muito bem nas bolas aéreas.
Índio - REGULAR: Meio nervoso, mas fez nenhuma bobagem.
Kleber - REGULAR: Apoiou bem, mas não aproveitou as duas ótimas chances que teve dentro da área.
Sandro - ÓTIMO: Perfeito na marcação, dominou o meio-campo e saiu jogando com muita classe. Muito bom volante, merecidamente convocado para a Seleção.
Guiñazu - BOM: Com o fôlego e a dinâmica de costume, também fez bem a transição com os meias.
Andrezinho - PÉSSIMO: Nervoso, errou demais e prejudicou muito o time enquanto esteve em campo.
(Giuliano) - ÓTIMO: Entrou no lugar do pior jogador colorado em campo, deu outra cara ao time e fez o gol da vitória.
D'Alessandro - ÓTIMO: Fez uma ótima partida como um todo. Se movimentou e correu demais no meio-campo, dando opção a todo momento. Driblou, deu bons chutes, fez a bola girar... e ainda voltou para marcar quando foi necessário.
Taison - ÓTIMO: Cometeu alguns erros na hora do último passe, mas fez uma grande partida. Infernizou o lado direito da defesa são-paulina e criou ótimas oportunidades.
(Rafael Sóbis) - SEM CONCEITO: O ídolo colorado ficou pouco tempo em campo.
Alecsandro - REGULAR: Cometeu alguns erros bobos, que irritam o torcedor, mas fez o que deu contra a forte retranca são-paulina.
Téc: Celso Roth - BOM: Foi bem na escalação ao escalar um meia (Andrezinho) e não o volante Wilson Matías. O Andrezinho, entretanto, não entrou bem e poderia ter saído já no intervalo. Mas Roth enxergou a tempo e colocou o Giulliano em seu lugar aos 20 minutos da etapa final.

SÃO PAULO
Rogério Ceni - BOM: Fez boas defesas e não teve culpa no gol.
Miranda - BOM: Um dos poucos são-paulinos na linha que se salvaram no jogo. Tirou tudo no primeiro tempo.
Alex Silva - PÉSSIMO: Quando foi exigido mostrou muita fragilidade. Taison passou como quis por ele.
Richarlyson - PÉSSIMO: Afobado, errou passes grotescos e marcou muito mal.
(Cléber Santana) - REGULAR: Nem o vi em campo. E assim tem sido seu no São Paulo: invisível.
Jean - PÉSSIMO: Apenas marcou e foi péssimo. É outro que vai ter pesadelos com o Taison.
Rodrigo Souto - PÉSSIMO: Não viu a cor da bola. Tomou uma caneta desconsertante do D'Alessandro.
Hernanes - PÉSSIMO: Lento, não conseguiu fazer seu time sair da retranca e foi nulo na marcação. Não foi nem 1% do que o torcedor brasileiro que ver na seleção.
Marlos - PÉSSIMO: Muito precipitado, sua velocidade nada adianta nos contra-ataques se sempre faz a coisa errada.
(Fernandinho) - REGULAR: Esse, também veloz, é ainda mais atrapalhado. Mas não teve muito tempo para irritar o torcedor são-paulino.
Junior Cesar - REGULAR: Se esforçou bastante e jogou direitinho.
Dagoberto - PÉSSIMO: É a mesma coisa do Marlos. Não conseguiu aproveitar os contra-ataques que teve. E o que foi aquela tentativa de caneta em cima do Guiñazu? O time tomando sufoco e o rapaz com a bola no campo de ataque, tendo a oportunidade de criar algo, tenta fazer gracinha. Lamentável.
(Ricardo Oliveira) - REGULAR: Arriscou um chute e foi praticamente só. Mesmo fora de forma, é melhor que todos atacantes do time e pode ser importante no Morumbi.
Fernandão - REGULAR: Isolado, até errou a maioria das coisas que tentou, mas pouco pôde fazer para ajudar a equipe.
Téc: Ricardo Gomes - PÉSSIMO: Que postura covarde foi essa? Jogou como time pequeno, e não como tricampeão da Libertadores. Duvido que consiga fazer esse time jogar até quinta-feira. A coisa está feia.

Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br

Copa do Brasil > Santos abre vantagem contra o Vitória, mas lamenta chances desperdiçadas

* Neymar marca um e perde pênalti com cavadinha

Foi bom, mas poderia ter sido melhor. Com um futebol envolvente, volume de jogo grande e alguns lampejos de arte, o Santos relembrou um pouco do que fez no primeiro semestre e derrotou o Vitória por 2 a 0, nesta quarta-feira, pelo jogo de ida da final da Copa do Brasil 2010. E se fosse 3, 4 ou 5, não seria absurdo.

Na próxima quarta, em Salvador, o time Rubro-Negro recebe o Peixe e precisará vencer por três gols de diferença para conquistar o título. Vitória por 2 a 0 leva o jogo para os pênaltis. O Santos está muito perto do título.

Pressionando desde o primeiro minuto de jogo, o Santos alcançou o primeiro gol aos 14 minutos de partida. Pará cruzou, a bola atravessou a área e Neymar apareceu bem para empurrar a bola, meio de peito, meio de barriga, para o gol. Peixe na frente, 1 a 0. Antes, aos 11, ganso já havia carimbado a trave do goleiro Lee em cobrança de falta.

A partir daí, o Santos passou a perder um caminhão de chances para ampliar a vantagem. Aos 17, Robinho, de primeira, mandou um belo chute após passe de Alex Sandro, mas a bola foi pra fora. Aos 38, André recebeu de Neymar, teve tempo de girar dentro da área, mas concluiu muito mal.

A cavadinha que deu errado

Veio o segundo tempo e nada mudou na partida. o Santos seguiu mandando no jogo, enquanto o Vitória assistia passivamente a um massacre alvinegro. Logo aos cinco minutos, Neymar tentou concluir um cruzamento de primeira, dentro da pequena área, mas a bola subiu. Dois minutos depois, André cruzou para Ganso, e o camisa 10 não conseguiu empurrar a pelota para o gol vazio, também dentro da pequena área.

De tanto insistir, o Santos foi premiado com um pênalti aos 26 minutos. Neymar driblou o zagueiro Wallace e foi derrubado. O próprio camisa 11 foi para a cobrança e... deu vexame. Tentou uma cavadinha, ao melhor estilo Loco Abreu, Zidane, Djalminha, mas o goleiro Lee estava espero e parou no meio do gol. Bola nas luvas do arqueiro baiano e decepção na Vila.

O torcedor santista só pôde soltar o grito da garganta, entalado desde o primeiro gol, aos 38 minutos. Marquinhos, que acabara de entrar em campo, bateu falta com maestria e fez 2 a 0. Zé Eduardo teve mais duas chances incríveis aos 43 minutos, mas parou no incrível goleiro Lee, em noite inspirada.

Ficha do jogo
SANTOS 2 X 0 VITÓRIA

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 28/07/2010 - 21h50
Árbitro: Leonardo Gaciba (RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (RS) e Roberto Braatz (PR)
Renda/público: R$1.151.380,00 - 14.060 pagantes
Cartões amarelos: Anderson Martins, Schwenk, Ramon e Vanderson (Vitória) Durval, Pará, Bruno Aguiar e Zé Eduardo (Santos)
Gols: Neymar 14'/ 1°T; Marquinhos 38'/2°T

SANTOS: (4-3-3) - Rafael, Pará, Bruno Aguiar, Durval e Alex Sandro; Arouca, Wesley e Paulo Henrique Ganso (Marquinhos); Robinho (Zé Eduardo), Neymar e André (Marcel). Técnico: Dorival Júnior.

VITÓRIA: (4-4-2) - Lee; Rafael (Bida), Wallace, Anderson Martins e Egídio; Vanderson, Neto Coruja, Fernando (Gabriel) e Ramon (Renato); Elkeson e Schwenck. Técnico: Ricardo Silva.


Comentário da Redação
Não acabou hoje, mas poderia

A sensação do torcedor santista após essa vitória de 2 a 0 é de alívio. Não seria absurdo nenhum, pelo que foi o jogo, se o placar tivesse sido 5 a 0. Mas o medo maior era que o jogo ficasse no 1 a 0, o que seria um tremendo absurdo. Um time entrou em campo para atropelar, o outro para ser atropelado.

Não existe comparação entre Santos e Vitória. O time da Vila é fantástico, fora de série. Hoje, novamente os principais jogadores não estiveram tão bem, mas cada lampejo já garante algo que nenhum outro time do Brasil tem. O Rubro-Negro, por sua vez, jogou com muita dedicação, mas passou longe de levar qualquer perigo.

E não foi nem aquela situação de uma equipe que se fecha e complica as coisas para o adversário de mais técnica. O Vitória, mesmo marcando bem, deu espaço, principalmente pelas laterais, e o Santos soube explorar muito bem isso. Só não soube marcar os tais cinco gols que eu falei.

A final ainda está aberta, ainda mais com a pressão que deverá vir das arquibancadas no Barradão. Só que a missão do Vitória é muito difícil. O time é limitado e terá de se preocupar também em não sofrer gols, o que será quase impossível. Resumindo: o Santos está bem perto do caneco.

Mais calma com o Neymar

Neymar teve a grande chance de ampliar a vantagem e perdeu um pênalti. Tentou uma cavadinha e se deu muito mal. O problema é que as pessoas aproveitam o momento e se esquecem rápido das coisas. Se ele convertesse a cobrança, seria um gênio, como foi Loco Abreu na Copa do Mundo, há um mês. Como errou, é um irresponsável. Calma lá!

O menino teve personalidade, tentou fazer o gol do jeito que costuma treinar, mas errou. Muito mais mérito para o goleiro Lee, o craque do jogo. Também acho que não era a melhor hora para bater um pênalti assim, mas também não acho que o Abreu deveria ter feito aquilo que fez contra Gana.

Lembrem-se: estamos falando de um menino de 18 anos, que ainda não está totalmente preparado para ser tão importante quanto já é hoje. Aliás, artilheiro da Copa do Brasil, 11 gols.

Conceitos - SANTOS

Rafael -BOM: Foi pouco exigido, mas estava seguro.
Pará - ÓTIMO: Um dos melhores em campo. Não só marcou com raça e vontade, como também participou de ótimas jogadas de ataque. Inclusive, deu o passe para o gol do Neymar.
Bruno Aguiar - BOM: Começou bem estabanado, mas até que se tranquilizou e fez boa partida.
Durval - BOM: Dono da zaga, só falhou quando tentou alguns botes longe da área.
Alex Sandro - ÓTIMO: Teve uma participação muito importante na partida, principalmente na marcação. Mesmo tendo vocação ofensiva, não deixou espaço pelo seu setor quando o Vitória ia ao ataque. E também levou perigo no ataque.
Arouca - EXCELENTE: Um monstro, como sempre. Só não foi o melhor do jogo porque tinha o Lee do outro lado...
Wesley - ÓTIMO: Voltou a jogar muito. Estava em todos os cantos do campo.
Paulo Henrique Ganso - REGULAR: Não foi a melhor apresentação do camisa 10 pelo Santos. Alguns bons lampejos e só.
(Marquinhos) - BOM: Ficou pouco tempo em campo, mas o bastante para fazer um gol fundamental. Acredito que será titular no jogo de Salvador.
Robinho - BOM: Foi um completo coadjuvante, mas eu já disse várias vezes aqui que só espero isso dele. Queria mais, só que não sei se ele ainda pode oferecer.
Zé Eduardo - BOM: Entrou querendo jogo. Sofreu a falta que resultou no gol do Marquinhos.
Neymar -REGULAR: Alguém mais empolgado daria uma PÉSSIMO, mas não eu. Entendo o garoto e não vou criticá-lo apenas por um pênalti perdido. Se movimentou bem durante a partida, fez um gol, cavou um pênalti... só faltou ter um pouco mais de maturidade para saber definir o jogo naquele momento.
André - PÉSSIMO: Infelizmente, seu futebol sumiu. Azar do Santos e do Dínamo.
Marcel - SEM CONCEITO: Ficou um bom tempo em campo, mas não viu a cor da bola.
Téc: Dorival Júnior - REGULAR: Achei que foi mal nas três substituições, pelo momento escolhido para elas e pelos jogadores que saíram. Mas foi bem ao preservar o Neymar, inclusive na entrevista coletiva. É isso que faz um líder. E essa liderança será fundamental para fazer com que a equipe entre voando no jogo de volta e assegure o título.

VITÓRIA

O Vitória sentiu a pressão da final, na Vila, e não jogou nada! Foi um apanhando de apresentações regulares ou péssimas. Caso do meia Ramon, articulador da equipe e que se escondeu o tempo todo. Pobre dos atacantes, que não tiveram uma chance sequer. Ao menos, o time baiano teve uma coisa boa: o goleiro Lee, que substituiu Viáfara em grande estilo e foi o nome do jogo com defesas incríveis, como a do pênalti de Neymar. Nota 10 pra ele.

Direto da Redação










Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

quarta-feira, 28 de julho de 2010

F1 > Paddock da Redação

A FIA tem de agir agora

Quem acompanha a Fórmula 1 sabe que o que aconteceu no GP da Alemanha, no domingo, com a Ferrari, é absolutamente normal. As equipes investem centenas de milhões de euros em equipamento, tecnologia, pilotos, staff... tudo para levar um carro ao título mundial. Eles têm o direito de priorizar um piloto. Automobilismo é o único esporte que coloca companheiros como adversários, mas eles defendem um mesmo interesse e isso deve ficar claro.

Isso posto, que fique bem claro que não estou defendendo a Ferrari no caso da troca entre Felipe Massa e Fernando Alonso. Estou dizendo que isso pe normal no "circo" da Fórmula 1, não que seja honesto. Existem outras formas de priorizar um ou outro e não é necessário dar um vexame público como fizeram os comandantes da escuderia italiana.

Aliás, eu não entendi nada dessa atitude ferrarista. Todo mundo sabe que eles fazem isso desde aquela situação bizarra de Rubens Barrichelo e Michael Schumacher, na Áustria, em 2002. Só que fazem de forma velada. Por exemplo, nos boxes, no momento da troca de pneus e do antigo reabastecimento.

Enfim, sem entender o porquê dessa atitude tão mal planejada, espero apenas que a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) tome as devidas medidas para impedir que isso aconteça novamente. Esse é o momento de agir.

Além da multa já aplicada (100 mil dólares), haverá um julgamento que pode desclassificar os dois pilotos da Ferrari do GP da Alemanha. Assim, a escuderia perderia 43 pontos de uma só vez. Eu sou a favor até de uma perda de pontos maior, uma punição de verdade, exemplar.

Por mais normal que seja isso, não se pode fazer de forma tão escancarada. Não é à toa que a Fórmula 1 vem perdendo tantos adeptos nos últimos anos.

Espero que a FIA aja e que estabeleça um jurisprudência para evitar que situações como estas se repitam.

Coitadinho?

Eu sei que a imprensa brasileira adora tratar nossos esportistas de não tanto sucesso como coitadinhos, mas uma hora isso tem de mudar! O Massa foi o mais prejudicado pela manobra da Ferrari, mas ele não é coitadinho. O problema é que ele não tem a força que teria o Alonso, por exemplo, para dizer não aos seus engenheiros.

E outra: se ele não quiser passar por isso novamente, basta brigar pelo título. Aí, ninguém vai tentar prejudicá-lo.

A única coisa engraçada é o envolvimento de Fernando Alonso nos mais recentes escandalos da F1 - foi beneficiado também com a batida de Nelsinho Piquet, em 2008, no GP de Cingapura. Nos dois, ao que tudo indica, foi passivo. Mas é de se desconfiar...


====================

* A coluna Paddock da Redação traz bastidores e análises da Fórmula 1 e do automobilismo em geral.


Direto da Redação









Colunista: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

Copa Libertadores > Universidad de Chile segura empate com Chivas fora de casa

* La U consegue um gol, toma o empate, mas segura o 1 a 1 no México

Depois de atropelar seus adversários nos jogos de ida das oitavas e das quartas de final da Copa Libertadores, o Chivas Guadalajara não conseguiu o mesmo nesta terça-feira diante da Universidade de Chile. O time mexicano parou na bem postada defesa da equipe chilena – e principalmente no goleiro Miguel Pinto - e ficou no 1 a 1 no primeiro confronto das semifinais, disputado no estádio Azteca. Agora, Agora, no segundo confronto, em Santiago, o Chivas precisa de uma vitória ou de um empate por mais de dois gols para ir à final.

Após um primeiro tempo sonolento, a etapa final começou eletrizante. Logo no primeiro minuto, Bautista exigiu ótima defesa do goleiro Miguel Pinto. O time do Chile não se abateu, e respondeu imediatamente. Só que com muita precisão. Em cobrança de falta, a bola sobrou para Olarra, que só teve o trabalho de empurrar de cabeça para as redes.

O Chivas, porém, não desanimou. Quatro minutos depois, Após cobrança de escanteio, Miguel Pinto fez milagre, mas a bola acabou sobrando para Arellano, que ‘encheu o pé’ de dentro da pequena área e balançou as redes. Os mexicanos dominaram o restante da etapa, buscaram o gol da virada, mas tiveram que se contentar apenas com o empate.

Ficha do jogo
CHIVAS 1 X 1 UNIV. DE CHILE

Local: estádio Azteca, na Cidade do México (MEX)
Data: 27/07/2010 (terça-feira)
Árbitro: Juan Soto (VEN)
Assistentes: Jorge Luis e Sanchez Urrego (VEN)
Cartões amarelos: Xavier Baez, Mejía, Esparza (Chivas)
Gols: Olarra, aos 2, Arellano, aos 6 minutos do segundo tempo.

CHIVAS: Luis Ernesto Michel; Omar Esparza, Reynoso Hector, Jonny Magallón, Ponce; Patricio Araujo, Xavier Baez, Mejía, Adolfo Bautista e Alberto Medina (De la Mora); Omar Arellano e Bravo. Técnico: José Luis Real.

UNIV. DE CHILE: Miguel Pinto; Matías Rodríguez, Mauricio Victorino, Rafael Olarra, José Rojas; Jose Contreras (Rojas), Philip Seymour (Pinto), Manuel Iturra, Walter Montillo; Edson Puch e Juan Manuel Olivera (Rivarola). Técnico: Gerardo Pelusso.

Fonte: Uol
Foto: EFE


Comentário da Redação
La U fez o que era preciso

Esse primeiro jogo do confronto entre Chivas e Universidad de Chile, no México, era muito interessante. De um lado tinha um time poderoso em casa, que bateu seus últimos dois adversários na Libertadores por 3 a 0, no estádio Jalisco, em Guadalajara. Do outro um invicto e eficiente fora de casa.

O jogo, desta vez, foi no estádio Azteca, na Cidade do México. Claro que não deve ser a mesma coisa para o Chivas, mas o empate de 1 a 1 na noite desta terça-feira, são méritos de La U. Como sempre faz, os donos da casa tentaram pressionar em busca do primeiro gol no começo. Mas encontraram pela frente um adversário tranquilo, que soube segurar o seu ímpeto.

A Universidad ainda conseguiu achar um gol precioso no começo dos últimos 45 minutos. Mas aí é que veio o maior teste para chilenos. Os mexicanos empataram logo aos seis minutos e, empolgados, foram pra cima. Mas mais uma vez os comandados de Gerardo Pelusso, com a ajuda do seu inspirado goleiro soube se segurar muito bem e garantiu um ótimo resultado.

Para o jogo decisivo, apesar de o Universidad de Chile não ter sido brilhante em seus domínios nas fases anteriores, é um time que sabe jogar muito bem com o regulamento debaixo do braço e consegue fazer exatamente o que precisa ser feito. Por isso, acredito que não terá uma grande surpresa e o mandante do segundo duelo chegará à final.


Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br

terça-feira, 27 de julho de 2010

Futebol Sul-Americano > En la Cancha

O super favorito... desta semana

Hoje, fugindo um pouco da tradição desta coluna, escreverei 100% em português. Afinal, falarei do grande clássico entre Internacional e São Paulo, pela semifinal da Copa Libertadores. O primeiro jogo é nesta quarta-feira, no Beira-Rio, e o time da casa chega numa condição completamento oposta àquela de 60 dias atrás quando o confronto foi definido.

Após passar pelo Estudiantes, em um jogo polêmico e marcante, o Inter demitiu o técnico Jorge Fossati e teve uma sequência muito ruim no Brasileirão. Não encontrou no mercado peça melhor para o comando da equipe e somente no meio da Copa do Mundo anunciou Celso Roth. Todos esses eram indícios de que a coisa não estava boa.

Enquanto isso, o São Paulo vivia seu melhor momento no ano. Passou pelo Cruzeiro com autoridade, vencendo os dois jogos. Trouxe Fernandão, que caiu como uma luva, e o time parece ter se acertado com Marlos entre os titulares.

Porém, passou a Copa do Mundo e aquela magia sumiu. O Tricolor está completamente perdido. Só fez um ponto de 12 possíveis no Brasileirão. Ricardo Gomes (foto) não consegue mais dormir de tanto barulho que ouve das cornetas do Morumbi.

Melhor para o Inter que, surpreendentemente, entrou numa fase excelente. Venceu os quatro jogos do Brasileirão pós-Copa e está voando. O Colorado já tinha um dos melhores elencos do Brasil, e ainda conseguiu inscrever Rafael Sobis, Renan e Tinga para a Libertadores. Que timaço!

O futebol é muito imprevisível e prova disso é a situação que eu contei agora. Mas tudo indica que o Inter é amplamente favorito para essa decisão. Tem mais time, mais elenco e está no melhor momento. Já o São Paulo... bem, o São Paulo tem só esse tal de "imprevisível" mesmo... pelo menos nesta semana.

Do outro lado...

Do outro lado da semifinal, Chivas e Universidad de Chile abrem o confronto nesta terça-feira, no Estádio Azteca. Será um confronto muito interessante, porque o time mexicano mostrou uma força incrível jogando em casa na Libertadores. Enquanto isso, os chilenos venceram os dois jogos que fizeram longe da casa no mata-mata.

Destaque para Montillo, o craque de "La U", que cumpre contrato até o término da Libertadores antes de se apresentar ao Cruzeiro, e para o retorno de alguns selecionáveis ao Chivas. Pelo menos quatro jogadores que disputaram a Copa do Mundo pelo México devem entrar na equipe, que passou por duas fases do torneio sul-americano jogando com time misto.

========================

* A coluna En la Cancha fala, em um portuñol meio atravessado, sobre os principais assuntos do futebol sul-americano.


Direto da Redação










Pediodista: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Campeonato Brasileiro > 11ª rodada

Resultados
Sábado - 24/7
Avaí 0 x 0 Atlético-MG
Vasco 2 x 0 Atlético-GO
G. Prudente 0 x 0 Vitória

Domingo - 25/7
Santos 1 x 0 São Paulo
Cruzeiro 2 x 2 Grêmio
Internacional 1 x 0 Flamengo
Goiás 0 x 2 Atlético-PR
Ceará 0 x 0 Palmeiras
Corinthians 3 x 1 Guarani
Botafogo 1 x 1 Fluminense

Classificação
Times
P J V E D GP GC SG
1 Corinthians 24 11 7 3 1 20 12 8
2 Fluminense 23 11 7 2 2 15 7 8
3 Ceará 20 11 5 5 1 9 4 5
4 Internacional 19 11 6 1 4 19 15 4
5 Avaí 16 11 4 4 3 17 15 2
6 Cruzeiro 16 11 4 4 3 13 11 2
7 Flamengo 16 11 4 4 3 12 10 2
8 Santos 15 11 4 3 4 17 15 2
9 Vitória 14 11 3 5 3 13 13 0
10 Palmeiras 14 11 3 5 3 12 12 0
11 Grêmio Prudente 14 11 3 5 3 13 14 -1
12 Guarani 14 11 3 5 3 11 15 -4
13 Atlético-PR 13 11 4 1 6 15 20 -5
14 Vasco 13 11 3 4 4 11 14 -3
15 São Paulo 12 11 3 3 5 13 13 0
16 Goiás 12 11 3 3 5 11 15 -4
17 Botafogo 12 11 2 6 3 17 16 1
18 Grêmio 11 11 2 5 4 14 17 -3
19 Atlético-MG 10 11 3 1 7 14 21 -7
20 Atlético-GO 7 11 2 1 8 10 17 -7

Legendas:
- Zona de classificação para a Libertadores
- Zona de classificação para a Copa Sul-Americana
- Zona de rebaixamento

Artilharia
6 gols
Roger (Guarani)
Alecsandro (Internacional)
Bruno César (Corinthians)

5 gols
André (Santos)
Roberto (Avaí)
Schwenck (Vitória)
Jonas (Grêmio)

Próximos jogos
Sábado - 31/7
18h30 Fluminense x Atlético-PR
18h30 Atlético-GO x Guarani
18h30 São Paulo x Ceará

Domingo - 1/8
16h00 Palmeiras x Corinthians
16h00 Vitória x Botafogo
16h00 Avaí x Goiás
16h00 Internacional x Grêmio
18h30 Atlético-MG x Cruzeiro
18h30 G. Prudente x Santos
18h30 Flamengo x Vasco


Comentário da Redação
Um líder abandonado

O Corinthians vem, até aqui, mantendo uma otima regularidade no Campeonato Brasileiro. Líder do torneio, vencendo sem convencer, mas com um futebol consistente, o time do Parque São Jorge leva vantagem sobre outros rivais fortes como Inter, São Paulo e Santos, que estão envolvidos em outras competições.

Porém, o comandante do navio corintiano partiu para um cruzeiro de luxo com a Seleção Brasileira e isso pode ser preocupante para o time que ainda precisa confirmar nas próximas 27 rodadas sua força.

Particularmente, acho que foi um bom momento para o Mano deixar o Corinthians. Para as duas partes. O treinador já estava desgastado no clube e parte para um vôo maior. Mas é inegável o controle que o novo comandante do Brasil tinha nos bastidores do Timão. É difícil que outro consiga isso tão já.

Adilson Batsta foi contratado, é uma ótima opção, mas ainda é uma incerteza. Incerteza porque precisa manter o time na ponta, administrar um monte de problemas que cercam o time e não terá muito tempo para isso. Domingo que vem, tem clássico contra o Palmeiras.

Direto da Redação










Redator: Ricardo Pilat
ricardo.pilat@yahoo.com.br

Seleção Brasileira > A "era Mano" começou!

* Com Ganso, Neymar e mais oito novatos, treinador faz sua primeira convocação

Com uma seleção renovada, que conta apenas com quatro jogadores que disputaram a última Copa do Mundo, Mano Menezes iniciou nesta segunda-feira, em um hotel na Zona Sul do Rio de Janeiro, o trabalho com a Seleção Brasileira. O ex-treinador do Corinthians anunciou a primeira lista com os 24 convocados para o amistoso contra os Estados Unidos, dia 10 de agosto, em Nova Jérsei. Nela estão Neymar, Paulo Henrique Ganso e André, do Santos. E algumas surpresas como Ederson, do Lyon, o goleiro Renan, do Avaí, e o lateral Rafael, do Manchester United.

Mano listou 24 atletas porque vai cortar Hernanes ou Sandro, dependendo do resultado do duelo entre São Paulo e Internacional, pela semifinal da Libertadores. A apresentação da seleção para o amistoso será no dia 8 de agosto.

Confira a lista:

Goleiros
Victor (Gremio)
Jefferson (Botafogo)
Renan (Avai)

Zagueiros
Thiago Silva (Milan)
Henrique (Racing Santander)
David Luiz (Benfica)
Réver (Atlético-MG)

Laterais
Daniel Alves (Barcelona)
Rafael (Manchester United)
André Santos (Fenerbahçe)
Marcelo (Real Madrid)

Meio-campistas
Sandro (Internacional)
Lucas (Liverpool)
Ramires (Benfica)
Jucilei (Corinthians)
Hernanes (São Paulo)
Ederson (Lyon)
Carlos Eduardo (Hoffenheim)
Paulo Henrique Ganso (Santos)

Atacantes
Robinho (Santos)
Alexandre Pato (Milan)
Neymar (Santos)
Diego Tardelli (Atlético-MG)
André (Santos)


Comentário da Redação
Muito boa lista

Muita gente estava quebrando a cabeça para tentar adivinhar a maioria dos nomes que seriam chamados para o amistoso do dia 10, imaginando que só teriam jogadores que atuam no Brasil. Entretanto, para surpresa minha e de muitos, metade da convocação foi formada por "estrangeiros".

E foi uma lista muito boa na minha visão, com atletas jovens e qualificados. Além de Ganso e Neymar, nomes que eram já eram dados como certos, as surpresas Renan, André e Jucilei me agradaram (só para deixar claro: não encaro o David Luiz como surpresa, e sim uma ótima novidade). O primeiro chega à Seleção de forma muito precoce, mas surgiu muito bem no Avaí, e até por ter idade olímpica - Mano dará muito valor a isso -, é uma boa aposta.

O atacante santista, que também tem idade para jogar as Olímpiadas de Londres, chega a seleção com muito merecimento. Sem muita badalação, ele conquistou o espaço dele no Peixe com muito trabalho, jogando bola. É matador nato, sem ser aquele brucutu que não sabe jogar fora da área. Gosto muito desse jogador, ótima lembrança.

Quanto a convocação do Jucilei, minha opinião é meio paradoxal. Acho incoerente e estranho, pelo fato de o Mano o ter deixado no banco em três dos quatro jogos pós-Copa no brasileirão pelo Corinthians. Mas por outro lado, o volante do Timão é muito bom jogador e tem potencial para crescer demais até 2014. É uma ótima aposta, e vejo o com bem mais condições que o Elias para vestir a amarelinha.

Outros dois nomes que aparecem pela primeira vez na Seleção é Ederson e Rafael. Sobre o primeiro, não acompanhei quase nada, entretanto, confio no Mano, estamos mesmo precisando que surjam novos meias. Quanto ao segundo, já teve melhores momentos no Manchester, mas é uma aposta correta e até óbvia, tem grande potencial.

As únicas coisas que realmente não me agradaram foram a ausência do goleiro Fábio, do Cruzeiro, que merecia bem mais que o Jefferson, e a permanência do Robinho. Tem no mínimo cinco atacantes que vêm jogando mais que o "Rei das Pedaladas" há algum tempo. Foi convocado pelo nome. Só espero que não tenha vaga cativa mesmo se for mal.


Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br

domingo, 25 de julho de 2010

Campeonato Brasileiro > Peixe bate o Tricolor e ganha moral para a decisão

* Por outro lado, derrota por 1 a 0 mantém clima tenso no São Paulo

O Santos interrompeu na tarde deste domingo a série de três derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro. Com alguns reservas no time, derrotou o time misto do São Paulo por 1 a 0 na Vila Belmiro e ganhou confiança a três dias da primeira decisão da Copa do Brasil, contra o Vitória. De quebra, mantém o clima de tensão no rival, que também terá uma semana importante. Na quarta-feira, a equipe do Morumbi enfrenta o Internacional, pela semifinal da Taça Libertadores da América, tendo conquistado apenas um empate nas últimas quatro partidas.

A partida na Vila Belmiro foi bem fraca e com poucas emoções. Os donos da casa mantiveram a posse da bola, porém com pouca movimentação para superar a retranca são-paulina. O gol só poderia sair mesmo de jogada aérea. Aos 15 minutos da etapa final, Marquinhos mandou para a área, Renato Silva tentou afastar e mandou para as redes.

Em busca do empate, Ricardo Gomes apostou em Hernanes, Marlos e Washington. O centroavante quase empatou com uma cabeçada no travessão. E foi só: 1 a 0 Santos.

Ficha do jogo
SANTOS 1 X 0 SÃO PAULO

Data: 25/7/2010, domingo
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Carlos Augusto Nogueira Junior e Márcio Luiz Augusto (ambos de SP)
Público: 9.367 torcedores
Cartões amarelos: Maranhão, Rodriguinho (S); Diogo (SP)
Gol: Renato Silva (contra), aos 15min do segundo tempo

SANTOS: Rafael; Maranhão, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Rodriguinho, Danilo (Wesley), Marquinhos (Breitner) e Paulo Henrique Ganso; Neymar (Zé Eduardo) e Marcel. Técnico: Dorival Junior

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Renato Silva, Xandão, Samuel e Diogo; Casemiro, Richarlyson, Cleber Santana (Hernanes), Jorge Wagner (Washington); Marcelinho Paraíba (Marlos) e Fernandinho. Técnico: Ricardo Gomes

Fontes: Globo.com e Uol

Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br

Campeonato Brasileiro > Com volta olímpica, Mano dá adeus com vitória e liderança

* Timão bate o Guarani por 3 a 1 e ultrapassa o Fluminense

Rumo à Seleção Brasileira, Mano Menezes se despediu do Corinthians com o sentimento de dever cumprido. Em quase três anos no Parque São Jorge, o treinador gaúcho conquistou três títulos, ganhou a admiração de jogadores e dirigentes e caiu nas graças da Fiel. Na noite deste domingo, sob aplausos e ovacionado por quase 25 mil torcedores, o técnico obteve sua 103ª vitória no comando alvinegro com os 3 a 1 sobre o Guarani, no Pacaembu, recolocando o Timão na liderança do Campeonato Brasileiro.

O Corinthians começou a partida arrasador e abriu o placar logo no primeiro minuto. Bruno César cobrou escanteio pela direita, William desviou para trás e o baixinho Jorge Henrique apareceu na pequena área entre os zagueiros para colocar o Alvinegro em vantagem.

Empolgante no primeiro tempo, o Timão voltou sonolento para a etapa final. E foi castigado. Aos 18, Mazola recebeu lançamento e chutou no canto direito de Julio Cesar. Na saída de bola, o árbitro expulsão Dentinho, alegando que ele havia dado cotovelada em um adversário. Minutos depois o Guarani igualou o Corinthians em número de atletas. Aílson também foi advertido com cartão vermelho.

Muito mais na base da raça, o Corinthians conseguiu desempatar. O gol, entretanto, foi de muita técnica. Em bela cobrança de falta, Bruno César fez o segundo. Ainda teve tempo para mais um do camisa 11. Roberto Carlos fez cruzamento preciso e Bruno César fez mais um, desta vez de cabeça, defindo o jogo no Pacaembu.

Ficha do jogo
CORINTHIANS 3 X 1 GUARANI

Data: 25/07/2010 (domingo)
Local: estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Árbitro: Rodrigo Ferreira do Amaral (SP)
Auxiliares: João Bourgalber Nobre Chaves e Anderson José de Moraes Coelho (SP)
Cartões amarelos: Rodrigão, Paulo Roberto, Mário Lúcio, Rodrigo Heffner (GUA), Bruno César, Roberto Carlos (COR)
Cartões vermelhos: Dentinho (COR), Aílson (GUA)
Gols: Jorge Henrique, a 1 do primeiro tempo, Mazola aos 18 do segundo tempo, Bruno César, aos 32 e aos 39 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, William, Paulo André e Roberto Carlos; Elias (Boquita), Paulinho (Ralf), Jucilei e Bruno César (Danilo); Dentinho e Jorge Henrique. Técnico: Mano Menezes.

GUARANI: Douglas, Rodrigo Heffner, Aílson, Rodrigão e Márcio Careca, Renan, Paulo Roberto, Baiano (Geovane) e Mário Lúcio (Heverton); Mazola e Ricardo Xavier (Diogo). Técnico: Vagner Mancini.

Direto da Redação












Redator:
Pedro Silas

pedro_sccp@yahoo.com.br